INFORME

Mediante os movimentos aos quais devo proceder e acatar, em respeito a vocês, meus Queridos Irmãos (ãs), ainda estou aqui. Entretanto, pode acontecer que as postagens não ocorram de forma como vinham se dando: diariamente.
Desta forma, não estranhem caso haja tal situação.
Que a Ordem Divina, permaneça em nosso caminho.

sexta-feira, 21 de outubro de 2016

Sobre canalizações e mais...

Postagem original, em 28.09.2013



Sobre canalizações e mais...

É corriqueiro e comum:
- “confundir” canalização com incorporação,
- considerar a canalização como algo somente de poucos,
de alguns privilegiados ou de “eleitos”,
- como também, sendo sempre as canalizações oriundas de uma frequência elevada, transmitindo-nos a Verdade e a Vontade da Criação.


Mas, vamos por partes:

1º- O que diferencia, em termos básicos, a canalização da incorporação,
é o estado de desperto e participação direta (canalização)
do de inconsciência e passividade (incorporação) do veículo/canal.

Na incorporação, há o afastamento da personalidade (corpos mental e emocional), criando o estado de inconsciência e permitindo que o corpo físico seja utilizado/possuído, e que assuma as características (gestos, atitudes, língua, trejeitos, fala e etc.) do, digamos, “invasor”. Não havendo a menor influência ou participação do mental do veículo/canal, durante o “evento” da incorporação, no que foi transmitido e ou realizado; nem mesmo a “menor lembrança” (qualquer tipo de aprendizado/consciência) lhe é dada. Vindo a tomar conhecimento do que se deu, ou pelos “registros”, em geral textos/psicografias, ou pelo relato de terceiros.
Este processo, energeticamente, ocorre/passa pelo chakra do plexo solar, gerando o afastamento do Eu atual (personalidade), a sua não responsabilidade no ocorrido e a devida amnésia de quando do seu retorno (retomada de posse) ao seu corpo.

Na canalização, há uma “união momentânea” da aura/personalidade do veiculo/canal com a fonte canalizada sem a perda do estado de desperto/consciente, onde este pode SENTIR, perceber e identificar a Vibração da fonte canalizada; permitindo-lhe “conversar” e absorver/adquirir o entendimento que necessita e é, ou pode ser, transmitido/ofertado na “união”.
Este é um processo telepático. 
O que é transmitido e ou realizado passa pelo mental, que vai concomitantemente, traduzindo/transcrevendo ou desempenhando dentro das suas características e condições; e que sendo mal conduzido ou sem o devido entendimento sobre o que ocorre, a canalização pode ser truncada ou mesmo ter o seu propósito desvirtuado por este mental.   


2º- Teoricamente, a incorporação se dá é conduzida por almas, tendo assim, uma vibração mais densa e um nível de consciência mais limitado;
enquanto que na canalização - ainda na teoria- a “fusão” se daria com Seres de LUZ, Mestres Ascencionados, Mentores espirituais, Arcanjos..., numa vibração e nível de consciência mais elevada.

Porém, na prática não é bem assim que se processa, ficando tudo relacionado e vinculado à proposta, entrega e ou interferência do veículo/canal. Pois é este que se sintoniza e vibra numa frequência mais elevada ou não.
Assim, como exemplo, se o veículo/canal se sintoniza e vibra na curiosidade/controle/medo, nas “suas questões pessoais” e interesses, o que ele irá incorporar ou canalizar estará dentro disto, desta vibração e sintonia. Não traduzindo, portanto, a Verdade ou Vontade da Criação.
Tudo ocorre e se desenvolve pela e na frequência energética (consciência ou falta dela) em que estamos sintonizados e vibrando.


3º- Se todos somos frutos da Criação e possuímos a mesma constituição física e energética, como poderia ser a canalização um processo somente de “eleitos”?... Não seria algo discriminatório e segregante por parte da Criação este privilégio de poucos?...




Agora, para que este entendimento venha a nos ter valia, antes de nos entregarmos a "nomes/assinaturas e ou imagens" - pois a sombra pode assumir/representar a mesma forma, fala e imagem ilusória que temos da LUZ para nos atrair (é o lobo travestido de cordeiro)- devemos observar, perceber e SENTIR a vibração e sintonia das ocorrências (textos ou presenças),
detectando as incoerências ou agraciamentos ao ego (cooptação); os estímulos a ilusão e aos conceitos e vontades pessoais; o desrespeito aos acontecimentos, às Leis da Criação e das coisas/natureza;
pois a LUZ  não atua por estes caminhos.

E aqueles que estão canalizando
(não falo aqui em incorporação, pois este meio não é muito utilizado no caminho do Ser),
devem procurar perceber e SENTIR a Vibração presente, e principalmente, não interferir ou promover perguntas na vibração da curiosidade, controle (questões pessoais) ou medo. 
Isto, obviamente, se estiverem realmente entregue ao propósito Evolutivo, a comunhão com o Seu SER e ao TODO, na prática, não na teoria ou fala. 

Lembrando-nos sempre -TODOS nós, pois esta atenção e percepção é individual- de que a LUZ nos remete ao trabalho e ao rever, 
nos fornece entendimento/orientações para que tenhamos compreensão/consciência do processo e condições em que nos encontramos aqui neste plano, aceitando-o, e venhamos a ser cumpridores e seguidores da Verdade e da Vontade Divina.

ArqueiroHur