INFORME

Mediante os movimentos aos quais devo proceder e acatar, em respeito a vocês, meus Queridos Irmãos (ãs), ainda estou aqui. Entretanto, pode acontecer que as postagens não ocorram de forma como vinham se dando: diariamente.
Desta forma, não estranhem caso haja tal situação.
Que a Ordem Divina, permaneça em nosso caminho.

quarta-feira, 5 de outubro de 2016

O “papel” de cada Um

Postagem original, em 23.03.2012


O “papel” de cada Um

Você já se deu conta de que na natureza cada Um tem o seu papel, a sua função?... 
Que cada Um (espécie e dentro dela) constrói, caça e VIVE do seu jeito?...

Que não existe dois ‘iguais’?... 
Que cada pedra tem o seu formato e cada árvore sua característica própria?...

Que é este conjunto que torna tudo exuberante e único?...

Sim!... O TODO é exuberante por esta característica: 
o conjunto, a União, a TOTALIDADE!...

Onde, porém, cada Um efetua o que é necessário, atua dentro do seu papel, da sua necessidade...
Sem, no entanto, se comparar ou cobiçar o alheio. 
Pode-se até, tentar obter aquele território melhor para a caça e sobrevivência da sua espécie, mas caso não obtenha êxito, segue-se o caminho na procura, sem vingança ou algum ato de traição. 
A “disputa” é feita as ‘claras’ e se encerra ali, sem nenhuma covardia, simplesmente de forma “leal”.

Mas e qual é o “padrão humano”:
- Ele respeita e segue aos ‘mandamentos’: 
da inveja, da traição, da lealdade e Verdade?...
- Ele ‘libera’ os ocorridos e procura aprender, para se fortalecer e não cair, repetir a falha/queda 
ou guarda rancor e busca a todo e qualquer custo, vingar-se pela ‘derrota’ sofrida?...
- O padrão humano visa ao TODO, a harmonia 
ou ignora o seu redor, vendo sempre ao seu interesse?...

É certo que vivemos em sociedade e não estou aqui ‘indicando ou propondo’ o isolamento ou a ‘rebeldia’...

Mas se você realmente busca a Evolução, a Unificação, deve observar-se dentro deste “padrão humano”, reconhecê-lo não somente no externo (para criticá-lo), mas em você mesmo, para romper com ele... Para permitir-se readquirir a condição de TODO.

A sua condição de TODO, designa-lhe tarefas, atuações que não se “enquadram” neste “padrão humano”.

E é esta a questão que deve ser definida e assim “escolhida”: 

Ser Único, porém no TODO, realizando suas tarefas ou manter-se “individualizado” no meio da individualização coletiva e automatizado?

O seu papel não deve ser ponderado, questionado, comparado!... Ele deve ser aceito ou não.

Mas lembre-se: 
para realiza-lo, é necessário permitir que o AMOR flua em você, sem conceitualização.

Apenas deve-se SENTIR , SER e ATUAR com e pelo TODO, pelo AMOR da Criação.

Que a Sabedoria Divina banhe sua alma e personalidade.
ArqueiroHur



SINTAM O AMOR

Postagem original, em 14.03.2013


SINTAM O AMOR

Queridos Filhos,
o AMOR do TODO É constante.
Renova, transforma, educa.
Descortina para que a LUZ

seja em vossos corações.


Caminhem FILHOS QUERIDOS,
sentindo o AMOR DA CRIAÇÃO...



Queridos Filhos,
ao que se reveem,

reconhecem e trabalham a ignorância em vós,
permitem que a  LUZ desça e atue.


Enquanto identificados nas ignorâncias,
ignorando-as ou negando-as
e por isto praticando-as,
não se amam, rejeitam, julgam,
repetindo os padrões e conceitos do mundo...






Queridos filhos,
sintam o AMOR em vossos corações!
Revivam cada experiência ofertada pelo TODO
como sendo ÚNICA
(uma palavra de carinho, o sorriso de uma criança,
uma flor que se abre, a delicadeza
e perfume das plantas,,,).


Caminhem em UNIDADE com todos no TODO
revestidos da LUZ DO AMOR.

Fiquem na Paz

Francesco, o Mentor


Por Lei-Fio
https://mail.google.com/mail/u/0/images/cleardot.gif




https://mail.google.com/mail/u/0/images/cleardot.gif

Enquanto eu...


Postagem original, em 24.03.2013


Enquanto eu...

Enquanto cada fato externo,
cada atitude alheia
(fala, ação ou reação),
cada momento
me alterar, me importar,
me tiver ‘valor’,
em que frequência estarei?...

Enquanto ‘me faltar’ isto ou aquilo!...
Não tiver tal coisa
e ‘um outro’ possuir determinadas outras,
comparando...
Em que vibração estarei?...

Enquanto situações cotidianas
forem o meu foco,
atraírem minha atenção,
me ferirem,
apesar da ‘fala do querer’,
é neste externo ilusório:
do que ‘vejo’, dos momentos,
do ‘outro’;
em que sintonizo...

Enquanto eu me considerar ‘o centro’,
‘julgando e crendo’ que tudo vem
para me afetar, me atingir
não irei perceber/sentir o que o Universo
me aponta.
Continuarei a ignorar o TODO.


Falarei... falarei...

Mas não irei atuar,
permanecerei no ‘desejo’, na intenção,
sem sair do lugar.

Enquanto eu não me deixar,
não SEREI.

ArqueiroHur