INFORME

Mediante os movimentos aos quais devo proceder e acatar, em respeito a vocês, meus Queridos Irmãos (ãs), ainda estou aqui. Entretanto, pode acontecer que as postagens não ocorram de forma como vinham se dando: diariamente.
Desta forma, não estranhem caso haja tal situação.
Que a Ordem Divina, permaneça em nosso caminho.

sexta-feira, 7 de outubro de 2016

O Teimoso


Postagem original, em 22.12.2011

O Teimoso


Um homem bem comum vivia em conflito: 
seu bondoso coração não conseguia ter espaço, pois o homem, só via o trabalho e o dinheiro como importantes (muito corretamente até, já que em nossos dias tudo o mais como: comer, morar, se vestir, estudar, etc... fica comprometido). Mas a vida não é só isto, não é?!... 
Viver como se "escravizado" ou voltado só para para as coisas que nós possuímos e ou "gostamos"... 

Assim, o nosso homem, não dando espaço a seu coração, fez com que este fosse ficando triste e doente, por não dar-lhe “atenção” nem “ouvidos”...

Esse homem bondoso de coração, mas percebendo somente os efeitos físicos, foi então, procurar a ajuda de um médico, solicitando deste, que lhe fizesse um transplante...    



Apesar de todas as formas de tratamento indicadas pelo médico, nosso amigo insistiu no transplante, pois, visava a “recuperação imediata” para manter o seu ritmo de trabalho. O médico, não tendo como convencer ao nosso amigo, “atendeu ao pedido” e o transplante foi realizado com sucesso...

Entretanto, o médico que reconhecia o estado razoável do coração retirado, resolveu congelá-lo, para um futuro necessitado...

Passado algum tempo, nosso amigo que já voltara a sua rotina de trabalho, começou a se sentir estranho e com um comportamento que desagradava a sua família, aos amigos e aos próprios empregados e clientes... Ele, cada vez mais, ficava exigente e meticuloso com relação ao desempenho de tudo e todos ao seu redor. E se tornara "frio", distante parecendo mesmo "ser uma outra pessoa". 

E ele foi assim, ficando sozinho já que sua família se separou, os amigos se afastaram, os empregados de confiança se demitiram e os clientes, antes fiéis, passaram a procurar a concorrência.


Mas o “coração novo”, funcionava a todo vapor... 

Foi então, que numa visita de rotina ao seu velho e conhecido médico, ele relatou tudo o que vinha lhe acontecendo em relação a sua vida e rotina.
O médico, que já quase esquecera o “velho coração”  no congelador, sugeriu ao nosso amigo reimplantar o seu verdadeiro coração, com a condição de que nosso amigo não desistisse do trabalho, mas procurasse prestar atenção em todos ao seu redor e permitisse um tempo do seu dia ao seu coração...

Nosso amigo, após relutar durante algum tempo, mas se vendo sozinho e na bancarrota, resolveu aceitar a oferta do médico.
E após mais uma operação de sucesso, nosso amigo começou a reerguer seus negócios, recontratou alguns de seus antigos funcionários e aos poucos, sua família, amigos e clientes foram se reaproximando.

Todos custaram a crer na mudança que se deu em nosso amigo... Ele agora já não era mais o mesmo; e apesar do trabalho e do dinheiro, estava sempre atento a tudo e a todos ao seu redor e principalmente, deixando um tempo para o seu velho e bom coração. Agradecendo, diariamente, por todo o aprendizado que logrou em cada situação e momento da sua vida. 


Transformando, por esta mudança interna de como "ver" a vida, a sua teimosia em determinação e perseverança de crescer. 
ArqueiroHur