INFORME

Mediante os movimentos aos quais devo proceder e acatar, em respeito a vocês, meus Queridos Irmãos (ãs), ainda estou aqui. Entretanto, pode acontecer que as postagens não ocorram de forma como vinham se dando: diariamente.
Desta forma, não estranhem caso haja tal situação.
Que a Ordem Divina, permaneça em nosso caminho.

domingo, 23 de outubro de 2016

Considerações sobre o caminho do Amor –IV, a liberdade do caminhar.


Postagem original, em 09.03.2014

 

Considerações sobre o caminho do Amor –IV,
a liberdade do caminhar.


Como podemos pretender nos dirigir a algum lugar/destino,
se nem ao menos sabemos em que direção ele está,
sem saber se é “ao norte ou ao sul” que devo me direcionar,
considerando-me, pela soberba ou porque assim foi dito,
já no caminho devido?

“... Se desejais “Ascensão”, buscai, em primeira instância,
“não amar” a vossa própria ilusão de que “Amais”!...”
-Mestra Nada-


Não conhecemos o amor
Nosso problema é, não é,
que nossas vidas são vazias, e não conhecemos o amor;
conhecemos sensações, conhecemos publicidade,
conhecemos demandas sexuais,
mas não existe amor.

E como este vazio vai ser transformado,
como a pessoa vai encontrar essa chama sem fumaça?
Certamente, essa é a questão, não é?

-J. Krishnamurti, On love and loneliness, First Talk in Bombay 1950-





Sim!..., é necessário,
antes de darmos (ou continuarmos a dar) passos a esmo,
que reconheçamos nossa localização/estado para
produzirmos nossos esforços (passos), no rumo devido.



Amar é ser casto

Este problema do sexo não é simples
e não pode ser resolvido em seu próprio nível.

Tentar resolvê-lo apenas biologicamente é absurdo;
e abordá-lo através da religião
ou tentar resolvê-lo como se fosse uma simples questão de ajustamento físico, de ação glandular,
ou restringi-lo com tabus e condenações,
é muito imaturo, infantil, e estúpido.

Isto requer inteligência da mais alta ordem.

Compreender a nós mesmos em nossa relação com o outro
requer inteligência muito mais aguda e sutil 
do que compreender a natureza.
Mas buscamos compreender sem inteligência;
queremos ação imediata, solução imediata,
e o problema se torna mais e mais importante...

Amor não é mero pensamento;
pensamentos são apenas a ação externa do cérebro.
O amor é muito mais profundo, 
e a profundidade da vida só pode ser descoberta no amor.

Sem amor, a vida não tem significação,
e essa é a parte triste de nossa existência.
Nós envelhecemos enquanto ainda imaturos;
nossos corpos ficam velhos, gordos, feios,
e nós permanecemos descuidados.
Embora lendo e falando sobre isto, 
nós nunca conhecemos o perfume da vida.

Simplesmente ler e verbalizar indica uma total falta de calor no coração que enriquece a vida;
e sem essa qualidade do amor, faça o que fizer, junte-se a qualquer sociedade, faça qualquer lei, 
você não resolverá este problema.

Amar é ser casto.
Simples intelecto não é castidade.

O homem que tenta ser casto no pensamento é impuro porque não tem amor.
Só o homem que ama é casto, puro, incorruptível.

-J. Krishnamurti, The Book of Life-
http://www.jkrishnamurti.org/pt/krishnamurti-teachings/view-daily-quote/20130429.php?t=Love

 



O amor nada pode fazer, mas sem ele nada pode ser feito

O amor não é sofrimento nem é feito de ciúmes,
mas ele é perigoso porque destrói.
Ele destrói tudo que o homem construiu em torno de si mesmo,
exceto tijolos.
Ele não pode construir templos nem reformar a sociedade apodrecida;
ele nada pode fazer, 
mas sem ele nada pode ser feito,
faça o que você fizer.

Todo computador e automação pode alterar a forma das coisas e conceder lazer ao homem,
o que se tornará outro problema quando já existem tantos problemas.

O amor não tem problema
e é por isso que ele é tão destrutivo e perigoso.

O homem vive de problemas,
aquelas coisas não resolvidas e contínuas;
sem elas, ele não saberia o que fazer;
ficaria perdido e na perda nada ganha.
Assim, os problemas se multiplicam indefinidamente;
na resolução de um há outro,
mas a morte, naturalmente, é destruição;
isto não é amor.
Morte é velhice, doença e os problemas que nenhum computador pode resolver.

Não é a destruição que o amor traz;
não é a morte que o amor traz.

São as cinzas de uma fogueira que foi cuidadosamente construída
e é o ruído das máquinas automáticas que continuam trabalhando sem interrupção.

Amor, morte, criação são inseparáveis;
você não pode ter um e negar os outros;
você não pode comprar isto no mercado ou em nenhuma igreja;
estes são os últimos lugares em que os encontraria.

-J. Krishnamurti Krishnamurtis Notebook-




“... “Ascensão” é consequência natural de preparo ininterrupto do ser,
após transpostos testes e desafios de caráter, de índole,
de bom senso, de prudência, de sabedoria, de altruísmo,
de racionalidade, de pureza, de compaixão, de solidariedade
e de concretizações do “Amor Sublime”!
Deveis amar o que é “Triunfo”, o que é “Vitória”,
mas nunca amar o que é o bastão ilusório de corrida vencida a custa de esforços de outros,
carregando a vossa alma, como trampolins para vossa pretensa superioridade!

“Raio Rubi de Amor” é raio divino que expressa “Vida”, “Luta”,
“Vigor”, “Movimento”, “Presença Atuante na vida dos seres terráqueos”! Longe da realidade,
imaginardes que somos expressão de um amor pálido e inoperante,
frágil e sem penetração real na Terra!...

... Não deveis amar o brilho tosco, ainda, de muitas de vossas almas em escalada de purificação!
Amai, sim,
o empenho em continuardes vossas “conquistas perenes” da alma,
que só são visíveis aos olhos Divinos,
nunca aos ingênuos olhos de vós mesmos,
que vos fazem verdes a vós mesmos como seres prontos para o reino da luz,
antes que realmente sejais os “expoentes do Amor” que devereis ser,
para atravessardes os portais dimensionais de volta ao Lar Cósmico!

“Amor”! Único portal de Verdadeira Ascensão!!!
Ainda é tempo !!!
Amai !!!

Conclamamo-vos a este despertamento, 
antes de tudo o mais,
tudo o mais que são apenas acessórios diante da verdadeira vestimenta de luz que identificará os que poderão adentrar os “Pórticos Celestiais”:
a “Túnica Nupcial” de Pureza e Amor Divino de quem realmente deseja se casar eternamente com sua verdadeira e perfeita essência estelar!!

Ficai com a Verdade!! Não vos afasteis dela!!!”

-Mestra Nada-





Enquanto não me reconhecer e assumir que
há uma enorme dicotomia/separação/discordância entre
a minha fala, o meu achar, o que penso, o que foi dito;
sem observar as contradições dos meus atos e crenças
e o caminhar evolutivo,
ficarei a “rodar” num labirinto de círculos que se encerra em si,
em seus próprios conceitos e presunções.
Supondo dentro dele caminhar,
sem perceber as repetições do caminho.
Sem viver o AMOR que é a LUZ,
e que brota da consciência e da verdade praticada.
  
Não se pode viver o AMOR considerando-o
pelos pensamentos e conceitos e vontades.
Com conjecturas e regras de "bom ou ruim".
Ela não se conceitua!... Não se racionaliza;
e os nossos conceitos não conseguem alcança-lo.
Ele é o SENTIR e o atuar sem o controle disto ou daquilo.
Ele é o se permitir a liberdade do caminhar,
que carrega em si a vibração e o entendimento
da Consciência, Poder e Vontade Divina.

ArqueiroHur



Que amor é este? – II




Postagem original, em 25.03.2016



Que amor é este? – II

- Que amor é este que precisa sempre estar/ser inflado para demonstrar a sua presença ou ausência?... 

- Que amor é este que surge avassaladoramente e que se esvai em segundos?...

- Que amor é este que se ocupa em guardar rancor e em ‘dar o troco’?...

- Que amor é este que se empenha na predileção, ofertando tudo ao interessado, como também se esmerando em negar ao desamado?...

- Que amor é este, que segrega, permitindo tudo a uns poucos e não aceitando nada da maioria?...

Você considera ser este o AMOR da Criação ou o que se desenvolveu em você sob o rótulo de “amor”?

Lembrando que o AMOR da Criação não acaba nem distingue raça ou cor, nem se rege por padrões de feio ou bonito, de bom ou ruim e etc..

Entretanto reconhecer a possessividade e o controle que se ocultam neste “amor”, é fundamental para poder romper com suas amarras.
ArqueiroHur






ENGANO - IX

Postagem original em 13.08.2013


ENGANO - IX

Engano é crer que “se é”, 
sem se aceitar conceituado e formatado,
sem se rever.

E por já “se ser”:
ouvir, sem escutar.

“Sendo”, por conceituação:
pensar sem o Sentir
e amar sem AMOR.


Crendo “ser” sem o SER,
por egoísmo e falta de humildade.

SER de LUZ
por Lei-Fio

https://mail.google.com/mail/u/0/images/cleardot.gif