INFORME

Mediante os movimentos aos quais devo proceder e acatar, em respeito a vocês, meus Queridos Irmãos (ãs), ainda estou aqui. Entretanto, pode acontecer que as postagens não ocorram de forma como vinham se dando: diariamente.
Desta forma, não estranhem caso haja tal situação.
Que a Ordem Divina, permaneça em nosso caminho.

sexta-feira, 20 de janeiro de 2017

Sobre a matéria

Postagem original, em 11.09.2014


Sobre a matéria

É do nosso conhecimento
(não falo em entendimento, pois é ele que estamos buscando para aplicarmos no dia a dia),
que a energia possui os mais variados níveis de frequência vibratória,
alguns mais sutis e leves, outros mais densos, pesados;
e de que,
sem nenhuma conotação aqui, neste contexto, de boa ou ruim, 
a matéria é energia em sua forma/estado mais denso.

Também nos é revelado, mostrado no dia a dia,
que toda matéria é perecível, se deteriora e,
de um jeito ou de outro,
pelo estado em que se encontra ou é exposta,
acaba/acabará sendo consumida por algum dos elementos da natureza.
Ex: um perfume, cujo frasco não se encontre devidamente fechado,
é, num período curto, absorvido e “levado” pelo ar. 
Dissolvendo-se no ar, evaporando-se, deixa de ser uma matéria individual (perfume), para se tornar parte do TODO.

Não importa de qual origem é esta matéria,
se é uma flor, folha ou tronco;
se um corpo de qualquer animal ou algum mineral
ou se é algo provindo da manipulação humana,
como o concreto,
tudo acaba e pode ser consumido pela terra, pelo fogo,
pela água ou pelo ar,
pelo desgaste natural ou pelo acondicionamento
e ou exposição à estes elementos.

... Agora, como consideramos tudo o que “pensamos” e fazemos,
que foi ou é voltado para estas questões da matéria?
Ou seja, qual o “tratamento”/enquadramento que damos para tudo o que é gerado dentro desta vibração mais densa da matéria
(preocupações, anseios, desejos, inveja... e suas consequências):
consideramo-los também densos,
mesmo que não sejam “materializados”, não nos sejam palpáveis?...

É, isto é algo que comumente ignoramos ou relevamos a um 2º plano...
Mas ora!..., se “consideramos” tudo como energia, devemos ter a “mesma visão” que temos quanto a matéria (afinal, esta é a sua origem):
de que são perecíveis, se deterioram e são incorporados/absorvidos pelo meio, tendo assim também,  seu “tempo de vida”.
Não um “tempo de vida” que possa ser mensurável, medido ou estipulado, como muito é dito e propagado de que: 
“o tempo é o senhor da razão”. -dito popular-
Mas derivado pela intensidade que dispomos a cada pensamento/desejo/querer e reconhecimento, rever e aceitação deles.

O “frasco que se manteve fechado”,
(situações, traumas, marcas e etc.),
“esquecido”, que não tenha sido observado/aceito,
permanecerá com seu aroma/conteúdo por “um tempo maior”, indefinível...,
até que seja, ainda neste plano/dimensão,  
“um dia aberto/destampado”
(compreendido),
e possa se incorporar ao ar/TODO...

Embora nos pareça difícil esta percepção, devido aos conceitos que ou sempre se omitiram ou nos “fizeram ver/crer” de forma diferente, contrária mesmo, afirmado:
“o tempo cura/apaga todas as feridas” – dito popular-;
mas o que é deste plano/dimensão, nele ficará!
Marcas, incompreensões, carências, ganância, "brutalidade",
possessividade e etc., que são oriundas deste plano,
permanecem nesta frequência vibratória,
sendo absorvido pelo TODO, somente o aprendizado,  
a compreensão de sua existência/ocorrência e da sua origem.

E o “tempo” não possui este poder de transformação, ele somente pode ajudar a “esconder”, maquiar as marcas ou “feridas”, entretanto, 
jamais há ou haverá “cura” sem compreensão/entendimento.
Nada, pelo Universo Evolutivo/TODO, é apagado,
tudo é transformado em aprendizado.
Por tal conta, tudo o que é relativo à matéria mantêm-se dentro deste prisma, digamos, da “deterioração”/dissolução para a absorção.
Pois, este é um dos princípios fundamentais da Criação
e que rege ao Universo Evolutivo e ao TODO.

“... AS DORES QUE VÓS SENTIRES,
EU SINTO TAMBÉM.
COLOQUEM SUAS MÃOS SOBRE MIM,
CONECTANDO-SE,
SOU TAMBÉM A GUARDIÃ DOS SEUS CORPOS
ENQUANTO AQUI
E DEPOIS,
FICO COM UMA PARTE
QUE ABSORVO COM AMOR, UNIFICANDO JUNTO A MIM...”
-MEUS FILHOS NÃO ME ABANDONEM...  -MÃE TERRA-


E eis aqui, um ponto interessante:
Se não houver a “deterioração/dissolução desta energia mais densa”,
ou seja, a “quebra da rigidez/cristalização” que permite a compreensão,
o que pode ser absorvido pela Evolução?...
Se a energia densa for simplesmente absorvida/incorporada
em seu estado bruto,
com sua densidade ela não acabará influenciando a frequência vibratória ou “se apoderando” deste meio/TODO?...    

Lembrando:
O que diferencia o conhecimento da sabedoria/consciência,
é, pura e simplesmente, a aplicação/prática do revelado no dia a dia.  
ArqueiroHur