INFORME

Mediante os movimentos aos quais devo proceder e acatar, em respeito a vocês, meus Queridos Irmãos (ãs), ainda estou aqui. Entretanto, pode acontecer que as postagens não ocorram de forma como vinham se dando: diariamente.
Desta forma, não estranhem caso haja tal situação.
Que a Ordem Divina, permaneça em nosso caminho.

domingo, 26 de fevereiro de 2017

Sobre o arrependimento


Postagem original, em 16.11.2014



Sobre o arrependimento

Por que e “do quê” nos arrependemos, você já se perguntou?...

O “arrependimento” é o fruto que advém 
das ações e atitudes tomadas e medidas 
sob quaisquer interesses.

Nós nos arrependemos, por não termos conseguido o que pretendíamos, tanto de pessoas (atitudes, respostas e etc.), como de situações.

Onde não há “algo a ser alcançado/conquistado”, algum objetivo
pré-concebido, não há, também, o sentimento de arrependimento.
  

Sem o interesse, não há o arrependimento, pois não existirá a comparação ou o sentido/conceito de “perda ou ganho”, que é o solo fértil onde ele brota.

Onde há consciência, não há o “arrependimento”,
já que, mesmo que o resultado não seja o ‘esperado’,
sobre o sucedido surgiu/surgirá o aprendizado e o crescimento;
não havendo assim, do que se lamentar.
Portanto, o “arrependimento” somente vigora onde não há consciência.

Todos nós já fomos criança e ou, em sua maioria, tivemos o convívio com elas (filhos, sobrinhos ou afins), e pudemos observar como elas se lançam nas situações/brincadeiras, enquanto ainda não “envenenadas pelas mentes humanas”.
Elas se lançam pelo prazer de viver e experienciar!
Se “caem”, levantam para tentar de novo, sem lamento ou culpa;
e o fazem, até que consigam ficar de pé. Ou seja, até que tenham conseguido encontrar o seu equilíbrio.
Então, para elas, não há o arrependimento, elas o desconhecem!

É..., a criança antes de ser formatada, com os “sins e nãos”,
permitido e proibido”, “certo e errado”, enfim...,
‘flutua’ somente pela dádiva de “aqui estar”,
sem julgamentos ou comparações.,
Mantendo-se aberta ao crescer.


Então, volto a indagar:
- Por que e “do quê” você se arrepende, 
você já se perguntou?...
ArqueiroHur