INFORME

Mediante os movimentos aos quais devo proceder e acatar, em respeito a vocês, meus Queridos Irmãos (ãs), ainda estou aqui. Entretanto, pode acontecer que as postagens não ocorram de forma como vinham se dando: diariamente.
Desta forma, não estranhem caso haja tal situação.
Que a Ordem Divina, permaneça em nosso caminho.

terça-feira, 14 de março de 2017

Questione, para não se corromper! – II – os disfarces para a oposição.

Postagem original, em 22.02.2014


Questione, para não se corromper! – II –
os disfarces para a oposição.

Observando este entendimento: 

"O espírito crítico é essencial.
O questionamento é correto,
mas nós fomos treinados para não questionar, para não criticar,
fomos cuidadosamente treinados para nos opormos.

Por exemplo,
se eu disser algo que não vão gostar 
– como o farei, espero –
naturalmente começarão a opor-se,
porque a oposição é mais fácil do que descobrir
se o que digo tem algum valor.

Se descobrirem que o que eu digo tem valor, 
então há ação,
e por isso terão que alterar toda a vossa atitude perante a vida.

Por esse motivo, 
como não estamos preparados para fazer isso,
criamos uma hábil técnica de oposição.

Isto é, 
se não gostarem de qualquer coisa que estou a dizer,
apresentam todos os vossos preconceitos profundamente enraizados
e obstruem-na,
e se eu estiver a dizer algo que os possa magoar,
ou que os possa aborrecer emocionalmente,
refugiam-se nestes preconceitos, nestas tradições, 
neste pano de fundo;
e reagem a partir desse pano de fundo,
e a essa reação chamam crítica.

Para mim não é espírito crítico.
É apenas oposição habilidosa, que não tem valor."

-Jiddu Krishnamurti-



Podemos, por este entendimento, perceber que para a manutenção do nosso estado e "controle",
"pintamos o outro" para podermos criar a oposição a ele. 

Cabe a cada um, individualmente, observar estas ações e reações 
no seu caminhar/cotidiano
e revê-las
ou mantê-las "escondidas", disfarçadas na não concordância.
ArqueiroHur