INFORME

Mediante os movimentos aos quais devo proceder e acatar, em respeito a vocês, meus Queridos Irmãos (ãs), ainda estou aqui. Entretanto, pode acontecer que as postagens não ocorram de forma como vinham se dando: diariamente.
Desta forma, não estranhem caso haja tal situação.
Que a Ordem Divina, permaneça em nosso caminho.

sábado, 1 de julho de 2017

A ENERGIA e suas VIBRAÇÕES

Postagem original, em 21.09.2012


A ENERGIA e suas VIBRAÇÕES

Esta incutido em nós, humanos, qualificarmos
(conceitualizarmos) as coisas/acontecimentos como
boas ou ruins, certas ou erradas
levando-nos a não percepção do real, 
que é a frequência vibratória das situações  
e assim a não sabermos lidar com elas.

Vejam!
Como posso considerar uma música boa ou ruim,
se todas as músicas, absolutamente todas, tem como
base as mesmas notas musicais?...
Será que percebo que ao ‘considerar uma música ruim’,
estou considerando e atingindo a “todas as músicas”
por terem a mesma base (notas)???...

O que temos, seja na música como em qualquer outra
situação (livros, encontros, momentos, enfim...),
são vibrações! 
Umas mais ‘densas’ e outras mais elevadas/fluídas,
mas são sempre vibrações que sintonizamos (nos permitimos)...

Tendo a música como exemplo, podemos ‘visualizar’
um pouco estas vibrações:

- Há músicas que atuam numa vibração que ‘liga’
alguns dos “instintos primitivos”, como a sexualidade ou
violência;
- Outras ‘acendem o emocional’ com suas carências,
desejos, lembranças  e decepções; colocando-o como foco
principal da existência. Dando ‘esperanças de conquistas’
ou revivendo um passado de ‘dor/mágoas’, de melancolia;
podendo mesmo ‘trazer’ raiva, estimular alguma vingança,
enfim...
- Também há, entre tantas outras vibrações, músicas que
nos remetam  para um além destas emoções e sentimentos.
Estas nos levam a ‘um outro estado’, sem vínculos ou
lembranças, onde ‘captamos uma PAZ’ advinda da harmonia
que a vibração emana.

Se você fez esta "viajem musical interna" , deve ter notado que
ouve/escuta e se entrega a música (sintonia), dentro do seu
‘querer/estado de espírito’.
Ou seja, é você que se sintoniza, se permite àquilo que está, 
que vive (escondido ou não) em você!  

Sim, se eu não tiver este instinto ‘sexual ou violento’
reconhecido e transposto, 
serei, com certeza, levado por esta vibração.
Por outro lado, 
o que pode ‘me causar’ uma música de fossa
(que relate/trate de um 'relacionamento amoroso' mal resolvido)
se não possuo este ‘sentimento/trauma’, vivência, em mim?...
Ela terá alguma influência em mim se esta 'marca/trauma'
já tiver sido reconhecida e transmutada?...
Posso me ‘sintonizar’ com algo que não exista em mim?...

Então, por esta ‘ótica’ (não aceita por muitos) aqui mostrada, 
não há realmente o bom ou ruimo certo ou errado. 
Somente vibrações!

E conforme vou adquirindo consciência, passo a ter o entendimento, a percepção, de que esta vibração me é devida ou não. 
O que é totalmente diferente do conceito de  "certo ou errado", 
pois tenho a compreensão de ‘onde’ esta vibração me coloca,
me mantém; 
e faço dentro disto, a minha opção/escolha.
Não pelo "certo ou errado", 
mas pelo que me dispus, me determinei...


É claro, que posso me manter ‘qualificando’, até mesmo pelo 
‘meu gosto’. 
É do meu direito e escolha, principalmente, quando não quero 
‘me ver’, me reconhecer tendo estas frequências vibratórias citadas 
e outras mais;
ou me responsabilizar pelos meus passos e destino. 
ArqueiroHur