INFORME

Mediante os movimentos aos quais devo proceder e acatar, em respeito a vocês, meus Queridos Irmãos (ãs), ainda estou aqui. Entretanto, pode acontecer que as postagens não ocorram de forma como vinham se dando: diariamente.
Desta forma, não estranhem caso haja tal situação.
Que a Ordem Divina, permaneça em nosso caminho.

sábado, 15 de julho de 2017

As entrelinhas e as identificações

Postagem original, em 03.09.2014



As entrelinhas e as identificações

Em geral, abrimos a “nossa porta” àquilo que nos é conhecido,
que, seja por qual meio for, possuímos uma identificação com ele:
um parente , “amigo” ou vizinho, um artista ou um personagem público, ao “professor” ou a quem nos tenha sido “indicado”.

Nesta “abertura da porta pela identificação”, deixamos passar desapercebido o que se encontra nas entrelinhas;
e este, digamos descuido, é utilizado, e muito bem, pela sombra
que oculta sua real intenção/vibração e propósito
(controle, indução, manipulação, medo e etc.)
pela sintonia em que flui esta identificação.

Quem não ouviu falar em mensagens subliminares
(que impõem opiniões, comportamentos, ações, vícios...),
ou em “lobos travestidos de cordeiro”
(que se utilizam da verdade
ou das suas próprias fraquezas e interesses para lhe atrair)?

Pois é!... Tanto estas, como outras artimanhas (chaves que “ligam” comandos no subconsciente ou alma -hipnose-), estão atuando nas entrelinhas, ocultamente, disfarçadamente;
e, pelo incrível que pareça, não são tão difíceis de serem detectadas,
desde que não sigamos pelas identificações,
tendo atenção ao que não nos encaminha ao rever/crescer/consciência e que mesmo expondo verdade, 
não nos remete ao reconhecimento, tanto nosso, como do plano em que nos encontramos
(como exemplo: colocações referentes aos outros níveis de consciência de planetas ou Universos, que embora verdadeiras, fazem apenas com que ignoremos aonde estamos e fiquemos "viajando"/sonhando com estes mundos),
e que demos vez aos alertas da Voz Interior e do Universo Evolutivo que sempre estão a postos...

Mas, comumente, só tomamos alguma cautela para observarmos
as entrelinhas,
quando já possuímos algum desgosto/rixa com a situação/pessoa;
sendo desta forma, não uma observação real das entrelinhas,
mas algo motivado pelo desagrado existente.
O que nos mantêm, ainda, numa vibração suscetível às manipulações da sombra, que sendo conhecedora desta nossa condição de negação/repulsa, dela se vale.

Eu não tenho de ter raiva da sombra ou ficar revoltado com e pelos instrumentos/meios que ela se utiliza,
pois isto só me mantém na vibração em que ela deseja que eu esteja.
Mas, devo reconhecê-los/detectá-los para poder “lidar” com eles.

Sendo que ninguém pode efetuar isto por mim
e muito menos, tomar alguma atitude quanto ao percebido,
já que sou eu quem devo cortar a ligação permitida/fechar a porta.
Sou eu quem deve perceber de onde vem a identificação e sobre ela trabalhar.
ArqueiroHur