INFORME

Mediante os movimentos aos quais devo proceder e acatar, em respeito a vocês, meus Queridos Irmãos (ãs), ainda estou aqui. Entretanto, pode acontecer que as postagens não ocorram de forma como vinham se dando: diariamente.
Desta forma, não estranhem caso haja tal situação.
Que a Ordem Divina, permaneça em nosso caminho.

sexta-feira, 20 de janeiro de 2017

Pequenos Pensamentos - CCLXXXVII

Postagem original em 05.10.2014


Somente atua pelo TODO
aquele que,
além de se lançar a se reconhecer/rever,
 não estipulou um "ponto final"
ou uma rota pré-estabelecida
em seus passos;
mas que, em paralelo,
mantêm-se perceptivo,
tanto à energia que o circunda
como ao SENTIR,
para poder agir, 
em cada momento/situação,
de acordo com 
a Verdade, Ordem e Vontade Divina. 
                                                    ArqueiroHur



Libertem-se! - Uriel

Postagem original, em 25.07.2012




Libertem-se! - Uriel

Experimentem sair da ‘prisão’ de vossos castelos 
com iluminações artificiais,
'Projetados' e que limitam.

A Mãe TERRA oferece seu CORAÇÃO,
onde a LUZ é para todos.

VERDADEIRO AMOR refletido dia e noite.

Bastando  retirarem os pesados conceitos,
revestindo-se do NOVO
(numa nova consciência)
e sentirão o AMOR 
que vibra incessantemente com o UNIVERSO.

Uriel
Por Lei-Fio



O QUE ESPERAR – II

Postagem original em, 27.01.2013



O QUE ESPERAR – II

Eu... quero
Tu... queres
Ele... quer
Nós... queremos
Vós... quereis
Eles... querem...

No “final”,
veladamente ou não,
TODOS NÓS QUEREMOS.



Mas, posso, ou melhor dizendo, devo “esperar” harmonia
quando estes “quereres” que são individuais,
voltados somente para o meu interesse
(mesmo que este “meu interesse”
seja o ‘dito coletivo’ de uma classe, categoria, espécie, nacionalidade e etc.)
e por diversas questões conceituais
e egocêntricas,
diferentes do “querer do outro”
ou além,
não observam ao TODO?...

Por viver ‘dentro do meu mundo’
(com meus conceitos, valores e ‘compreensões’),
fico restrito a mim, negando ‘ver’, perceber
e SENTIR ao meu redor...
Então, neste estado de letargia,
“espero tudo” de tudo/todos:
harmonia, compreensão, paixão,
compensação, “lucros”, imunidade,
‘defesa’, gratidão, apoio, amor...


Agora, quando sou detentor de um conhecimento, 
como este abaixo,
devo e posso continuar “esperando”, creditando
tudo aos outros?...
R.: Sim posso!... Pois o conhecimento por si só,
não muda o meu nível/estágio de consciência.

“Este não é um Mundo igualitário.
Valores de justiça, morais e de conduta
não são os mesmos.
Devemos nos manter voltados para valores maiores,
para podermos aplicar num futuro próximo
que é anunciado, enfim, a prática da igualdade.

Mas este não é o momento de se expor
ou de enfrentamento.
Não se esqueçam que o futuro será de iguais.
Aguardem e se preparem!” 
-Mentores, por Zé Mauro, em 2008-

Ok... e se eu procurar aplicar no meu dia a dia,
em todas as minhas atividades
este ‘conhecimento’ que adquiri?
R.: Bom, aí, você começa a promover
uma ‘mudança interior’ e irá,
dentro da sua determinação,
revendo e largando/desapegando-se
de muitos conceitos
e percebendo que não pode, nem deve
“esperar” nada de ninguém,
além, de você mesmo...

É... quando "me entrego" e me aceito rever,
começo a entender também o ‘outro’,
pois, nasce em mim a compreensão
de que ele faz/atua dentro do seu
nível/estágio de consciência
(dentro do seus conceitos e padrões)
e que desta forma,
percebendo-o, compreendendo-o,
em muitas situações,
na minha ignorância,
fui injusto!
Pois “esperei” e cobrei algo que ‘ele’
não podia dar,
uma vez que ele não tinha para dar.

Ex: é como se exigíssemos de uma criança
que esta  se alfabetizando,
conhecendo as letras e números;
que resolva/responda sobre
uma equação aritmética,
de qualquer grau.

Quem é o responsável pelo ‘resultado’ que surgirá:
a criança ou ‘eu’, 
que lhe atribuí tal tarefa?...


É um grande passo no caminho,
perceber que nada pode ser atribuído,
creditado ‘ao outro’, a algo do externo.
Que os ‘passos dados ou não’
(sucesso ou infortúnio)
são de minha inteira responsabilidade,
que nada pode me faze-los dar,
como também, me impedir de dá-los.
    

Apontamentos e amparo
são fornecidos pela LUZ/UNIVERSO EVOLUTIVO
para o caminhar.
Mas os passos e direção,
são meus!

ArqueiroHur



Sobre a matéria

Postagem original, em 11.09.2014


Sobre a matéria

É do nosso conhecimento
(não falo em entendimento, pois é ele que estamos buscando para aplicarmos no dia a dia),
que a energia possui os mais variados níveis de frequência vibratória,
alguns mais sutis e leves, outros mais densos, pesados;
e de que,
sem nenhuma conotação aqui, neste contexto, de boa ou ruim, 
a matéria é energia em sua forma/estado mais denso.

Também nos é revelado, mostrado no dia a dia,
que toda matéria é perecível, se deteriora e,
de um jeito ou de outro,
pelo estado em que se encontra ou é exposta,
acaba/acabará sendo consumida por algum dos elementos da natureza.
Ex: um perfume, cujo frasco não se encontre devidamente fechado,
é, num período curto, absorvido e “levado” pelo ar. 
Dissolvendo-se no ar, evaporando-se, deixa de ser uma matéria individual (perfume), para se tornar parte do TODO.

Não importa de qual origem é esta matéria,
se é uma flor, folha ou tronco;
se um corpo de qualquer animal ou algum mineral
ou se é algo provindo da manipulação humana,
como o concreto,
tudo acaba e pode ser consumido pela terra, pelo fogo,
pela água ou pelo ar,
pelo desgaste natural ou pelo acondicionamento
e ou exposição à estes elementos.

... Agora, como consideramos tudo o que “pensamos” e fazemos,
que foi ou é voltado para estas questões da matéria?
Ou seja, qual o “tratamento”/enquadramento que damos para tudo o que é gerado dentro desta vibração mais densa da matéria
(preocupações, anseios, desejos, inveja... e suas consequências):
consideramo-los também densos,
mesmo que não sejam “materializados”, não nos sejam palpáveis?...

É, isto é algo que comumente ignoramos ou relevamos a um 2º plano...
Mas ora!..., se “consideramos” tudo como energia, devemos ter a “mesma visão” que temos quanto a matéria (afinal, esta é a sua origem):
de que são perecíveis, se deterioram e são incorporados/absorvidos pelo meio, tendo assim também,  seu “tempo de vida”.
Não um “tempo de vida” que possa ser mensurável, medido ou estipulado, como muito é dito e propagado de que: 
“o tempo é o senhor da razão”. -dito popular-
Mas derivado pela intensidade que dispomos a cada pensamento/desejo/querer e reconhecimento, rever e aceitação deles.

O “frasco que se manteve fechado”,
(situações, traumas, marcas e etc.),
“esquecido”, que não tenha sido observado/aceito,
permanecerá com seu aroma/conteúdo por “um tempo maior”, indefinível...,
até que seja, ainda neste plano/dimensão,  
“um dia aberto/destampado”
(compreendido),
e possa se incorporar ao ar/TODO...

Embora nos pareça difícil esta percepção, devido aos conceitos que ou sempre se omitiram ou nos “fizeram ver/crer” de forma diferente, contrária mesmo, afirmado:
“o tempo cura/apaga todas as feridas” – dito popular-;
mas o que é deste plano/dimensão, nele ficará!
Marcas, incompreensões, carências, ganância, "brutalidade",
possessividade e etc., que são oriundas deste plano,
permanecem nesta frequência vibratória,
sendo absorvido pelo TODO, somente o aprendizado,  
a compreensão de sua existência/ocorrência e da sua origem.

E o “tempo” não possui este poder de transformação, ele somente pode ajudar a “esconder”, maquiar as marcas ou “feridas”, entretanto, 
jamais há ou haverá “cura” sem compreensão/entendimento.
Nada, pelo Universo Evolutivo/TODO, é apagado,
tudo é transformado em aprendizado.
Por tal conta, tudo o que é relativo à matéria mantêm-se dentro deste prisma, digamos, da “deterioração”/dissolução para a absorção.
Pois, este é um dos princípios fundamentais da Criação
e que rege ao Universo Evolutivo e ao TODO.

“... AS DORES QUE VÓS SENTIRES,
EU SINTO TAMBÉM.
COLOQUEM SUAS MÃOS SOBRE MIM,
CONECTANDO-SE,
SOU TAMBÉM A GUARDIÃ DOS SEUS CORPOS
ENQUANTO AQUI
E DEPOIS,
FICO COM UMA PARTE
QUE ABSORVO COM AMOR, UNIFICANDO JUNTO A MIM...”
-MEUS FILHOS NÃO ME ABANDONEM...  -MÃE TERRA-


E eis aqui, um ponto interessante:
Se não houver a “deterioração/dissolução desta energia mais densa”,
ou seja, a “quebra da rigidez/cristalização” que permite a compreensão,
o que pode ser absorvido pela Evolução?...
Se a energia densa for simplesmente absorvida/incorporada
em seu estado bruto,
com sua densidade ela não acabará influenciando a frequência vibratória ou “se apoderando” deste meio/TODO?...    

Lembrando:
O que diferencia o conhecimento da sabedoria/consciência,
é, pura e simplesmente, a aplicação/prática do revelado no dia a dia.  
ArqueiroHur