INFORME

Mediante os movimentos aos quais devo proceder e acatar, em respeito a vocês, meus Queridos Irmãos (ãs), ainda estou aqui. Entretanto, pode acontecer que as postagens não ocorram de forma como vinham se dando: diariamente.
Desta forma, não estranhem caso haja tal situação.
Que a Ordem Divina, permaneça em nosso caminho.

sábado, 12 de agosto de 2017

Pequenos Pensamentos - CCLXXVII

Postagem original em 03.08.2014


O entendimento é fornecido
(e o foi, em todo o tempo, por todas as eras)
para o TODO/todos.
Mas é de cada um, individualmente,
o poder e a condição de aceitá-lo e absorvê-lo
para a sua prática.

Não havendo força, 
que não a involutiva
com suas ações de coação e indução,
para fazer isto por e com você.
                                                                  ArqueiroHur



Desequilíbrio

Postagem original, em 11.06.2013



Desequilíbrio

Queridos Filhos,
caminham em desequilíbrio,
por identificarem-se com energias
que não são vossas.

Energias do "medo", da individualidade,
do abuso e desamor...

Com isso, distraem-se e se desequilibram
sintonizando na frequência que é "espalhada propositadamente"
para a indução/comoção/atração.

O equilíbrio está no AMOR ao TODO.
Neste AMOR,  
a LUZ atua e equilibra, 
refaz e restaura vossos corpos.

Mas para que isto aconteça,
É PRECISO ESTAR SINTONIZADO e ENTREGUE À ELA,
vibrando no AMOR da Criação.
Detectando, para "curar", o indevido em vós
(falta de consciência, reações pela ignorância,
querer e carências, "temores" e falta de confiança na Criação, ausência de Verdade e humildade...), 
evitando que o "externo" possa ter onde se "agarrar", 
deixando de possuir influência sobre
vossos passos. 

Recebam o MEU AMOR 
Francesco, o Mentor

Por Lei-fio



As Afirmações Nossas de cada dia

Postagem original, em 22.06.2012


As Afirmações Nossas de cada dia

É de se supor que quem está nesta busca
(e até mesmo os que não)
de si mesmo,
tenha um momento no seu dia em que
faça suas orações, afirmações, preces...
Momento este em que nos colocamos
“no pedido” de sermos/termos a LUZ.

Mas a questão a se relevar não é esta!
O que devemos observar são as atitudes no dia a dia,
que por hábitos e costumes,
contrariamos e negamos ao que antes
(nos momentos das orações/afirmações)
havíamos dito ser nosso propósito.

São nas pequenas coisas
(aquelas habituais, que costumamos nem reparar)  
que acabamos “vibrando” e nos
sintonizando, exatamente no contrário
do que oramos/afirmamos.

Sim!
Tudo é energia;
e como tal, tem sua vibração.
Mais “elevada/leve”, fluindo na e pela LUZ
ou mais “pesada/densa”,
sintonizada com a separação/“sombra”.

E é nesta vibração mais “densa”,
que fomos formatados,
dentro deste padrão da separação.

Não devemos “culpar-nos” por isto,
por estes deslizes,
mas percebê-los, para evitá-los.

Entender que a cada vez que “afirmo”:
não consigo, é difícil, está além de mim;
estou negando a LUZ
e impedindo-A de atuar...

Devemos aprender a reconhecer as dificuldades,
mas sem esquecer que
para a LUZ nada é impossível,
que o PODER da Criação tudo pode.
Que se eu mantiver o propósito
de SER, de Evoluir;
tudo o que for necessário
será feito pela LUZ,
que é o AMOR que não desampara!

Não esquecer que a energia é movimento/ação;
razão pela qual, devo ter ações 
(de trabalho, de rever-me, de entrega, de cuidar-me)
para poder romper com os padrões,
com sua vibração.

Devo evitar estas “afirmações rotineiras” que “me prendem” na separação,
que induzem a “uma LUZ distante”,
fora de mim.
Que não me remetem ao SENTIR o AMOR,
a VERDADE e ao SER.

ArqueiroHur   



A indução e o exemplo

Postagem original, em 09.05.2015


A indução e o exemplo

É “muito pensado” que o exemplo segue pelo mesmo trilho da indução, que nos influencia pelo caminho. 
Mas não!...
É exatamente ao contrário. Os rumos e ferramentas são opostos...


Enquanto o exemplo se rege pela liberdade e respeito, 
somente apontando um caminho, uma postura, uma conduta..., 
que só pode ser trilhado/assumido pelo entendimento/consciência
e não pela "imitação"/ameaça ou temor;
a indução é atrelada ao controle e por este motivo, busca nos subjugar com seus dogmas/conceitos e "autoridade", 
e a ou nos seduzir pelos “atrativos/ganhos”,  com a rigidez das repetições e padrões
(propagandas..., propagandas..., e mais propagandas),
para tentar se manter  neste suposto controle.

Por não nos conduzir/induzir, o que o exemplo pode promover,
é nos incentivar, estimulando-nos a galgar os degraus evolutivos.



O exemplo não conquista ou convence!
Não barganha..., 
apenas se apresenta, se dispõe.

Mas, só para variar um pouquinho,
é você quem decide se quer ser convencido/conduzido
ou se lança ao entendimento/responsabilidade.

ArqueiroHur