INFORME

Mediante os movimentos aos quais devo proceder e acatar, em respeito a vocês, meus Queridos Irmãos (ãs), ainda estou aqui. Entretanto, pode acontecer que as postagens não ocorram de forma como vinham se dando: diariamente.
Desta forma, não estranhem caso haja tal situação.
Que a Ordem Divina, permaneça em nosso caminho.

sexta-feira, 14 de outubro de 2016

Pequenos Pensamentos - XL

         

Postagem original, em 29.08.2011


                                  Quando a máscara
                      daquele que só olha para si,
                      mas não se vê,
                      cai..., é descoberta
                      e revelada.
                      Ao mascarado
                      só resta uma saída, entre as duas:
                      ACEITAR  a VERDADE e a LUZ
                      ou nega-la e tentar reagir.
                                                                       ArqueiroHur

               ps: reconheça e retire-as antes da hora anunciada.
                     Peça Perdão.



Quando e Como você “PULA”?


Postagem original, em 11.12.2011


Quando e Como você “PULA”?

“Pular” é uma reação normal, natural dos corpos físicos e energéticos.

“Pulamos” quando somos picados, mordidos por algum inseto ou animal 
e procuramos nos afastar daquele local, instintivamente, 
como via de proteção/prevenção.

Outra “reação” física é a febre, que surge, para que com o aumento da temperatura, tentar eliminar o “invasor”.

Se atentarmos bem, as reações naturais não buscam nada “fora” para se defender; 
o mecanismo é sempre muito simples: 
ou se afasta, “pulando”, daquele incômodo e ameaça 
ou se põe em execução algum mecanismo para o combate.

Mas e o ego em todos os aspectos e principalmente no energético, como ele age?... 
Você já reparou?...

É certo que ele também reage, pois, isto é inerente a TUDO e a TODOS. 
Mas a questão é como e quando?

- Ele vai enfrentar a situação encarando o desafio ou ele procura algo que o conforte?

- Ele se “afasta” dos incômodos energéticos ou faz valer o seu “interesse” e desejo e se mantêm naquele meio que lhe “acolheu” e lhe atrai?

Vejam:

Enquanto a febre, como exemplo, visa à proteção de todo o corpo e não somente daquele órgão, 
o ego só “vê” a si mesmo, a sua manutenção, aos seus conceitos, ao seu prazer e consolo.

- Ele, “aceita mudar” aquilo que ele sabe ser indevido (opinião, atitude, postura...) 
e que demanda numa reviravolta radical dos seus costumes e práticas?

- Ele, por acaso, é humilde para, quando consegue reconhecer alguma falha, pedir desculpa com sinceridade?

- Quando qualquer situação lhe é apontada, ele não busca justificar, se calcando nos conceitos externos 
e até mesmo com a falta da verdade?

- Ele não brada, ruge e geralmente se lança em alguma "aventura", onde não mede nada nem nenhuma consequência, para se aliviar do incômodo?...



- E do que adiantou ou no que resultou todo o esforço dele, 
a tormenta ou avalanche não foi maior do que se houvesse a "revisão"?

Assim, se você deseja VIVER este momento único, procure observar estas “reações” do seu ego. 
Pois, onde ele mais “pula”, é onde se encontra a “razão” do que deve ser revisto.

ABRA-SE a VOCÊ MESMO e ACEITE os apontamentos que o 
Universo está lhe ofertando. 
Eles, só irão lhe fazer crescer, pois, não há como seguir no caminho, sem que o ego e personalidade estejam engajadas e imbuídas no processo.


Arqueiro
Hur



Observação direta - J. Krishnamurti

Postagem original, em 12.07.2014



Observação direta

Por que as ideias se enraízam em nossas mentes?

Por que os fatos não se tornam importantíssimos,
não as ideias?

Por que as teorias, ideias, se tornam tão mais significativas do que o fato?

É que não podemos compreender o fato,
ou não temos a capacidade,
ou temos medo de encarar o fato?

Assim, ideias, especulações, teorias são meios de fugir do fato.

Você pode fugir, pode fazer todos os tipos de coisas;
os fatos estão aí:
o fato de que a pessoa é irada, 
o fato de que a pessoa é ambiciosa,
o fato de que é sexual, dezenas de coisas.
Você pode suprimi-los, pode transmutá-los, que é outra forma de supressão;
você pode controlá-los, mas eles são todos suprimidos, controlados, disciplinados com ideias.

As ideias não desgastam nossa energia?
As ideias não entorpecem a mente?

Você pode ser inteligente em especulação, citações;
mas, obviamente, é uma mente estúpida que cita,
que leu um bocado e cita.

Você remove o conflito do oposto com um golpe 
se viver com o fato e, assim, 
liberar a energia para enfrentar o fato.

Para a maioria de nós, a contradição é um campo em que a mente fica presa.
Eu quero fazer isto, e faço uma coisa inteiramente diferente,
mas se enfrento o fato de querer fazer isto, não há contradição;
e, portanto, com um golpe eu anulo todo o sentido de oposto totalmente,
e minha mente fica completamente participante no que é,
e na compreensão de o que é.

-J. Krishnamurti, The Book of Life-

http://www.jkrishnamurti.org/pt/krishnamurti-teachings/view-daily-quote/20140709.php?utm_source=feedburner&utm_medium=email&utm_campaign=Feed%3A+JKOnline_DailyQuotes_PT+%28JKOnline+RSS+PT%29



Caminhos Diferentes VI - EU VI!... e agora, o que fazer? - Série: Momento Atual e Único (minha visão) - Revisto

Postagem original, em 17.12.2011


Caminhos Diferentes VI - EU VI!... e agora, o que fazer? 
- Série: Momento Atual e Único (minha visão)


O que você faz quando “se vê” em alguma situação na vida 
(no dia a dia), num escrito, numa música...?

- ignora, finge que não é com você?

- “pula”, vai fazer outra coisa?

- se sente atingido e se diz injustiçado?

- reclama e põe a “culpa” no outro?

- faz mal-criação, “beicinho”?

Ora, tudo isto é normal!... Todo adolescente é assim, não gosta de ser contrariado e só dá valor ao que lhe interessa.


Mas e aquele que está se buscando?

Será que ele reconhece que todas situações e apontamentos devem ser vistas, encaradas como uma lição, algo para o seu crescimento e fortalecimento?

Será que ele “para/'fica' consigo mesmo todo dia” e, 
criou esta disciplina para “olhar” suas atitudes e reações, procurando tirar lições dali, percebendo o “outro” e o que podia ser diferente, não vendo "só a si" como flagelado?

Se o caminho do SER passa pelo conhece-te, como ignorar o emocional?

Se este emocional já foi “ferido”, pergunto:

- Qual não o foi, em pleno mundo de ignorância e interesse?

- E este (seu) emocional, nunca feriu ninguém?

- Por que devo “achar-me” o único a sofrer?


Quem quer crescer deve desistir, fugir, fechar a porta na 1ª contrariedade?

Talvez sim!... pois, o caminho é estreito... 
Assim foi dito e assim o É!


- Que devo buscar e pedir LUZ?... SIM!

- Procurar técnicas para “auxiliar” neste caminho?... SIM!


Mas, não devo “estar” ali, no olho do furacão, no centro do processo?


Ei! Esqueci-me que posso também ficar “olhando” e dizendo: 
É, sou bem assim... Tenho isto mesmo... 
Sou só um grão de areia, uma insignificante gota d’água no oceano...


E o meu SER, onde fica nisto tudo?... 
Bom! Num amanhã... quem sabe, talvez... 
Nada se finda aqui, neste agora, né?!

Afinal, o Universo está fazendo todo o “movimento” que lhe cabe e isto já me é o suficiente, este conhecimento, esta interação.

Prá que me “rever”, ter de assumir “descaminhos ou falhas” se sou “filho de deus”, sua imagem e semelhança?... 
Já sou desta forma perfeito e estou no caminho, de nada preciso, "tudo posso" e me é "permitido/perdoado"... 
Só me cabe interagir com muita gente e aguardar o desfecho geral... O Universo "me ama", sendo "bobo", aquele que desperdiça o "seu tempo se vendo" e sendo responsável pelos seus passos e caminho.
 
A Criação nos oferta o direito de escolha, 
a liberdade de considerarmos e seguirmos o rumo
da nossa consciência ou preferência.
ArqueiroHur