INFORME

Mediante os movimentos aos quais devo proceder e acatar, em respeito a vocês, meus Queridos Irmãos (ãs), ainda estou aqui. Entretanto, pode acontecer que as postagens não ocorram de forma como vinham se dando: diariamente.
Desta forma, não estranhem caso haja tal situação.
Que a Ordem Divina, permaneça em nosso caminho.

sábado, 19 de novembro de 2016

O Rever e a Entrega - Mensagens

Postagem original, em 19.08.2012


Rever 

Filhos,
é preciso sentir
sem ‘ser’ complacente ou superior;
condescendente com aqueles que estão no caminho.
Senão,
estarão contraditórios à LUZ e a VERDADE.

A presunção espiritual afasta, julga...
Tudo é do TODO.
A LUZ É!
Cuidado! Não sejam complacentes, vangloriosos...

Distraídos, continuarão na ignorância.

Decididos no caminhar,
deixem de lado o que construíram através de conceitos....
sem compreenderem, confundem com sabedoria.
Desapeguem-se filhos.

Tudo encontra-se dentro de vocês mesmos.
Revejam-se encontrando aquilo que amam:
É LUZ?
É a VERDADE?

João da Cruz

Por Lei-Fio




Entrega

Deve ser compreendido que o rever
não é para ser julgado...
E sim sentido e liberado.
No simples,
mas na profunda submissão
à LUZ e a Criação.

Não devem se opor ao fluxo da vida.

Entregar é antes de tudo sentir
e aceitar o presente, sem restrições
e nenhuma reserva.
Aceitar a EXISTÊNCIA.

Alchalel

Por Lei-Fio



Precipitação e julgamento




Postagem original aqui, em  08.11.2012


Precipitação e julgamento


Embora tenhamos imensa dificuldade em fazer um juízo
sobre nós mesmos
(quando o fazemos é com o ego inflamado de vaidade
ou de forma depreciativa),
não raro, temos muita facilidade em fazê-lo
em relação aos outros, o que ocorre, invariavelmente,
em tom de julgamento (depreciativo ou de pujança).

Costumamos nos antecipar ao modo de ser do outro
– de todos outros – fora de nós
(não falo só de outra pessoa), olhá-los, julgá-los
e julgar conhecer aspectos de sua pessoalidade
e de seu interior,
como se tivéssemos o poder de revirá-lo ao avesso,
penetrar em seu Ser e conhecer sua Essência.

De onde vem esta pretensão e arrogância?
Quem nos deu esse poder?

Embora este seja um comportamento recorrente,
raramente (ou nunca) nos leva a refletir.

Pensar sobre nossas atitudes é sempre uma tarefa difícil,
e muitas vezes dolorosa, uma vez que
não nos reconhecemos sob o mesmo parâmetro
nem nos medimos com a mesma medida
com que medimos o outro.

O princípio básico que devia (e deve) nos orientar
é o seguinte:
“assim como não me conheço completamente,
também não posso conhecer o outro”,
portanto,
devo abster-me de julgá-lo.

O conhecimento que podemos ter de nosso interior;
de nosso Ser,
depende do acesso ao caminho que nossa consciência nos dá.


É ela que abre caminho para o “reconhecimento”
e conhecimento do Ser;
nosso e do outro (dos outros) fora de nós,
no lugar em que este se manifesta (na própria consciência),
e “apenas” aí.

Assim sendo,
o conhecimento e reconhecimento do outro,
depende do conhecimento e reconhecimento que temos de nós. 
Nestes termos, conheço e reconheço o outro,
apenas e na medida em que conheço e me reconheço; 
conscientemente.
Isto equivale a "sentir", aceitar, respeitar e amar;  
a mim e ao outro. 

Percebem o vínculo necessário da condição do Ser? 
Percebem o “elo” que nos faz ser segundo
(e com) o outro (os outros), segundo uma Unidade;
plasmada e predeterminada?

 Eu sei, é incognoscível...

Então, se foge à nossa compreensão,
porque nos antecipamos, emitimos juízos e julgamos o outro, 
como se tivéssemos a posse do conhecimento de seu interior?

Ah! Pela aparência! Pelo que ele “mostra” ser!

É... Não é por outra instância que o fazemos!

Usee




ESPINHOS - Revisto


Postagem original, em 18.12.2011


ESPINHOS - Revisto



Muitas flores e ervas medicinais têm espinhos... 
Isto é bom?... 
Será ruim?...
Não sei! E não me importa isto... 
Só tenho a consciência de sua existência e de 'o espinho'  é parte daquele SER.


Eu, sendo responsável por cada ato meu e preservando meu TEMPLO (corpo) procuro, quando tenho a necessidade de colheita, ficar atento e me protejo... 

Não deixo de colher, nem ignoro a existência dos espinhos... Sem no entanto, ter de "qualificá-los" ou  denominá-los como sujos, falsos, traiçoeiros, enfim..
Eles estão ali, são da planta. 
É da Lei da Natureza, da Criação.
A minha questão, é percebê-los e SENTI-LOS para evitá-los, saber cuidar de mim... 
E não julgar os "espinhos", pois, julgando-os, estou também o fazendo quanto a Criação...

Mantendo esta consciência, simplesmente efetuo o que “tenho” de efetuar (é necessário). 
E quando não tenho "nada" para fazer com aquela planta ou flor, apenas a observo ou a admiro sem "interagir" fisicamente com ela.

Por qual razão então, falamos tanto em energia e ignoramos os “espinhos” 
(diversos níveis energéticos) 
que nos cercam, fazem parte dos ambientes ou de algumas pessoas?...

Até quando estamos lendo/traduzindo algum texto (influência do meu mental); 
canalizando ou fazendo algum trabalho energético os “espinhos”, podem se apresentar. 
E se os ignoro, estou deixando a “porta aberta” para eles entrarem...

Quando colho sem precaução, me machuco, sangro... 
E se não cuidar, deixo infeccionar... 
E de uma coisa “simples”, boba, mas que eu ignorei; a solução pode ser somente a amputação, ou seja: 
o corte total do membro/parte afetada para que não se alastre e comprometa o todo.

E no aspecto energético, as “feridas” e suas conseqüências são as mesmas...

Não é mais o “tempo” de buscar as soluções para isto em alguém ou algo de fora.

Você é o responsável por você e por seus atos, podendo não só curar as infecções do passado, como deve aprender a evitar novas “feridas”. 
Isto é consciência: não só "limpar", mas evitar.

Se você realmente se AMA, respeite seu TEMPLO e não negue a existência (aqui neste Plano) dos “espinhos”, inclusive os seus.

Negando, ignoro!... 
Ignorando não revejo, não transmuto, nem Evoluo!

A energia (tanto “espinhos”, como a LUZ) não sai de férias ou fica cansada! 
Ela simplesmente É!... 
Estando presente em cada fração de segundo da nossa vida.

A ATENÇÃO a isto, não pode ser devida e apreciada somente em alguns momentos do nosso dia!... 
Quando necessito ou me entrego à LUZ... 
Tendo no "restante do meu tempo", uma conduta de me permitir, me abrir para "saciar" meus desejos e  "vontades" ou carências.  

- Quem irá "retirar" os espinhos que permiti, por vontade própria, que se colocassem em mim?

- Ficarei "feliz" com a amputação necessária?

- Assumirei minha responsabilidade em todo o processo?

A interação com o ambiente e pessoas, é uma via de “mão-dupla”! 
Porém, quando não reconheço isto e “me deixo levar”, mais recebo do que dou. 
Acabando por “ser” mais eles, do que EU! 

Que a Verdade Divina guie e caminhe em seus passos!
ArqueiroHur