INFORME

Mediante os movimentos aos quais devo proceder e acatar, em respeito a vocês, meus Queridos Irmãos (ãs), ainda estou aqui. Entretanto, pode acontecer que as postagens não ocorram de forma como vinham se dando: diariamente.
Desta forma, não estranhem caso haja tal situação.
Que a Ordem Divina, permaneça em nosso caminho.

sexta-feira, 13 de janeiro de 2017

Pequenos Pensamentos - CCLXXXV

Postagem original, em 13.09.2014


Estar caminhando na LUZ,
por e com Ela,
não significa "o fim dos problemas"
(questões, desafios, conflitos e etc.),
como muito é apregoado e
"esperado" por tantos
-até porque isto seria negar
o plano/dimensão e conjuntura
em que nos encontramos.

Mas sim que, 
passamos a ter mais condições
para lidar com as questões e suplantá-las,
transformando-as em aprendizado.

O que significa, 
por outro lado e pela prática consciente,
na dissolução dos problemas.
                                                                            ArqueiroHur






As ações da e pela LUZ e Enfrentando a violência em outra pessoa - Krishnamurti



Postagem original, em 29.03.2015


As ações da e pela LUZ

As ações conscientes são guiadas pelos princípios da Verdade, Igualdade (justiça) e Amor Divino
e, desta forma, não possuem nenhuma expectativa de compreensão pelos egos, de ‘retorno’ ou agraciamento.
São voltadas para que a Ordem Divina se re-estabeleça. É este o seu alicerce!

Vejamos estas palavras:

Enfrentando a violência em outra pessoa

Pergunta:
Como lidamos com a violência em outra pessoa?

Krishnamurti:
Meu vizinho é violento: como lido com isso?
Dou a outra face? Ele vai achar bom.
Que devo fazer?


Você faria essa pergunta se fosse realmente não violento, se não houvesse nenhuma violência em você?
Escute bem essa pergunta.
Se no seu coração, na sua mente, não houver violência alguma, ódio algum, nem amargura, nem sentimento de realização, nem desejo de ser livre,
nenhuma violência,
você faria essa pergunta sobre como lidar com o vizinho violento?
Ou você saberia o que fazer com ele?

Outras pessoas poderão chamar de violência o que você faz, mas você pode não ser violento;
naquele momento em que o seu vizinho age violentamente, você saberá como lidar com a situação.

Mas uma terceira pessoa, observando, poderá dizer:
“Você também é violento”.
Mas você sabe que não é violento.

Portanto, o que importa é ser completamente livre de violência
– e não o que outra pessoa diga de você.

- Krishnamurti, Beyond Violence, pp 83-84-
http://www.jkrishnamurti.org/pt/krishnamurti-teachings/view-daily-quote/20150327.php?utm_source=feedburner&utm_medium=email&utm_campaign=Feed%3A+JKOnline_DailyQuotes_PT+%28JKOnline+RSS+PT%29



O que Krishnamurti procurou nos orientar, foi de que quando se está livre de intenções; 
livre de ‘sentimentos’, sejam eles de vingança ou por vínculos afetivos; 
livre da cobiça e etc., 
a atitude será de acordo com o momento/situação/energia envolvida ali.
E não, regida por valores conceituais de ‘devido ou indevido’ ou enquadrada em padrões.

E desta feita, assim como a Vontade Divina não é compreendida e aceita pela maioria, pois estes estão presos aos seus valores e interesses, 'vendados' por seus conceitos; 
estas ações da e pela LUZ, também não serão compreendidas/aceitas ‘pelos do redor’.

Mas, “o que importa é ser completamente livre de violência
– e não o que outra pessoa diga de você.”

Ou seja: o que importa é estar/ser consciente. E não “agradar a gregos e troianos”.

ArqueiroHur



DIÁLOGOS

DIÁLOGOS

Postagem original, em 20.07.2011



Nos  diálogos do ego
a Verdade sempre fica em segundo plano.
O que vale é fazer prevalecer sua "razão",
utilizando-se de todos e quaisquer meios para isto.
Mas as consequências...


O real entendimento se dá 
quando os interesses e objetivos 
são expostos com clareza e sinceridade.
Mesmo não havendo o "acordo", ficará o respeito.

Mas para tal, ambos devem "escutar" e ter a "visão"
de algo maior do que aquele momento e situação. 

É não trabalhar com a emoção, 
mas sim com sentimento de consideração, 
de respeito.
ArqueiroHur






Experiência


Postagem original, em 26.06.2014


Experiência


"A experiência nunca falha,
apenas as nossas opiniões falham,
ao esperar da experiência 
aquilo que ela não é capaz de oferecer."
  
                                                                                                -Leonardo da Vinci-

http://pensador.uol.com.br/autor/leonardo_da_vinci/





Quando a sua experiência
(acontecimentos do dia a dia, relacionamentos e etc.)
não lhe traz (ou trouxeram)
alguma renovação ou revisão,
algum crescimento ou aprendizado;
mas sim a sensação de inutilidade, vazio ou desperdício de “tempo”:
é sinal de tudo o que você promove/efetua,
está vinculado à algo que já se deu (passado)
ou a algum resultado pretendido (futuro).
Estando desta forma, realmente no estado de inutilidade/vazio.
Pois, a LUZ/crescimento é movimento,
e nos dá o entendimento de que a cada momento/situação
o aprendizado, pela experiência/vivência, é fornecido.
ArqueiroHur