INFORME

Mediante os movimentos aos quais devo proceder e acatar, em respeito a vocês, meus Queridos Irmãos (ãs), ainda estou aqui. Entretanto, pode acontecer que as postagens não ocorram de forma como vinham se dando: diariamente.
Desta forma, não estranhem caso haja tal situação.
Que a Ordem Divina, permaneça em nosso caminho.

quinta-feira, 29 de dezembro de 2016

Pequenos Pensamentos - LII



Postagem original, em 11.09.2011

                   Quando conseguirmos
                   ver-nos pequenos
                   diante da Criação, do TODO.
                   Aí, perderemos o orgulho,
                   a grandeza...
                   Ousaremos pedir o perdão sincero
                   e marcharemos então,
                   com firmeza e coragem
                   para realizarmos 
                   o compromisso do Nosso Ser.
                                                              ArqueiroHur





O “ano novo” e a “vida nova”.


Postagem original em 31.01.2015



O “ano novo” e a “vida nova”.

Há uma máxima que promulga:

“Ano novo, vida nova!”

E isto vai/vem sendo ‘afirmado/repetido’ pela grande maioria da humanidade, nas mais diversas culturas, nos mais distantes 'cantos' do planeta, estando no inconsciente coletivo já há alguns séculos.

Mas, vejamos o que é o “ano novo”:
- Não será somente mais um conceito/convenção, tanto que várias culturas possuem seu calendário próprio/individual e assim, seu “ano novo”
(citando como exemplo, os calendários: Maia, Chinês, Judaico, Gregoriano, Tibetano, Islâmico...)?
Nota: o que leva a “alguns a praticar” em mais de uma data, pois são ‘seguidores’ das festividades anuais ou dos mais diversos “santos”.

- E, sendo uma convenção/conceito, pode ele ‘trazer’/fazer fluir uma “vida nova”, ou somente vai refletir uma “mudança” de desejos e ou mesmo de conceitos?...

- Tem como uma “vida nova” se calcar, desenvolver por sobre repetições de valores, rituais, crenças e etc.?...

O alimento da sombra/ilusão, não é o que por ela é semeado,
mas sim a nossa apatia e falta de coragem em assumirmos a responsabilidade sobre os nossos passos e em rompermos com os padrões. Entregando-nos ao ‘mais prazeroso e ou cômodo/fácil’.

Cabe a cada um perceber a coerência ou falta dela nas suas atitudes e praticas. Pois os ‘de fora’, mesmo o Universo Evolutivo, nada podem fazer a não ser apontar ou fornecer orientação;
mas a ação, seja ela qual for (de acomodação ou explosão, de aceitação ou negação...), será sempre sua.

É você quem decide ‘seguir com promessas’ ou não.

É você quem se permite ‘viver na fantasia de um amanhã’ ou não.

Somente você pode SER em cada momento e situação.


ArqueiroHur



Se se observa a si mesmo - J.krishnamurti

Postagem original, em 22.09.2014



Se se observa a si mesmo

É muito importante compreender por que nós criamos ou formulamos uma ideia.
Por que a mente formula uma ideia realmente?
Quero dizer com “formular”, uma estrutura de ideias filosóficas ou racionais ou humanistas ou materialistas.
Ideia é pensamento organizado;
e nesse pensamento organizado, crença, ideia, o homem vive.

É isso que todos nós fazemos, sejamos religiosos ou não-religiosos.

Eu penso que é importante descobrir por que os seres humanos ao longo dos tempos conferiram tal extraordinária importância às ideias.
Por que formulamos ideias realmente?

Formamos ideias, se a pessoa observar a si mesma, quando há desatenção.
Quando você está completamente ativo, o que exige total atenção
– que é ação –
nisso não há ideia; você está agindo.

-J.krishnamurti, Collected Works, Vol. XV,89,Action-

http://www.jkrishnamurti.org/pt/krishnamurti-teachings/view-daily-quote/20140911.php?utm_source=feedburner&utm_medium=email&utm_campaign=Feed%3A+JKOnline_DailyQuotes_PT+%28JKOnline+RSS+PT%29