INFORME

Mediante os movimentos aos quais devo proceder e acatar, em respeito a vocês, meus Queridos Irmãos (ãs), ainda estou aqui. Entretanto, pode acontecer que as postagens não ocorram de forma como vinham se dando: diariamente.
Desta forma, não estranhem caso haja tal situação.
Que a Ordem Divina, permaneça em nosso caminho.

sábado, 30 de dezembro de 2017

Pequenos Pensamentos - CCLXXXV

Postagem original, em 13.09.2014


Estar caminhando na LUZ,
por e com Ela,
não significa "o fim dos problemas"
(questões, desafios, conflitos e etc.),
como muito é apregoado e
"esperado" por tantos
-até porque isto seria negar
o plano/dimensão e conjuntura
em que nos encontramos.

Mas sim que, 
passamos a ter mais condições
para lidar com as questões e suplantá-las,
transformando-as em aprendizado.

O que significa, 
por outro lado e pela prática consciente,
na dissolução dos problemas.
                                                                            ArqueiroHur






O REVER




Postagem original, em 19.06.2012



O REVER

O REVER é uma “abertura individual” que nos ofertamos 
para sairmos do “estado em que nos encontramos”.

É um presente que nos damos
(e somente nós o podemos fazê-lo), 
de crescer
e de nos “reconhecermos como parte da Criação”.

É o REVER a condição de largarmos
o princípio do “certo e errado”, das convicções;
onde nos permitimos a ter outras visões/vertentes,
abrindo o nosso horizonte para a LUZ,
para a consciência do TODO.

No REVER,
vamos aos poucos (com paciência e humildade)
dissolvendo “as razões” que nos impuseram
estar em separado.
Vamos percebendo os estágios e estados de consciência
(nossos e dos outros)
e nos liberando dos julgamentos,
pois reconhecemos o nosso 
e assim,
sabemos que há outros estágios acima para chegarmos,
como também que já estivemos em alguns mais aquém.
Cientes da condição de aprendiz,
não nos vemos “mais” do que alguém,
nem bradamos nosso estado
(seja ele qual for);
apenas continuamos a caminhar,
aprendendo com tudo e todos.

Nesta trajetória do REVER,
vamos detectando a atuação de conveniência do ego,
que busca as “escoras” da concordância
para manter sua “razão”
e é aonde devemos ter atenção,
para percebermos
“aquilo que ele tenta ignorar ou discorda”;
pois é aí, 
naquilo que discordamos ou tentamos ignorar, 
que invariavelmente está
“a chave da porta para o crescer e SER”.

No caminho do REVER (do SER),
não há questões/tema esgotado, encerrado;
nem posição definitiva, fechada.
Tudo muda de acordo com o
“estado de consciência alcançado”,
não se tendo vergonha do mudar,
de se reconhecer.
Ao contrário:
O “mudar” é o propósito;
e a mudança, só ocorre no reconhecido.

O crescimento só se finda
pelo seu querer, pela sua vontade,
pela sua "escolha"...

Que você se dê este presente
e perceba, a cada momento e situação,
a presença do Universo Evolutivo
lhe amparando e guiando neste caminho.

ArqueiroHur 



A FUGA DO SE RECONHECER - J.Krishnamurti


Postagem original aqui, em 07.05.2016 


A FUGA DO SE RECONHECER


Parecemos não perceber a extraordinária importância do aprender sobre a nossa pessoa
(não o que os outros disseram, por maiores que sejam esses especialistas): 
o aprender realmente acerca de nós mesmos.

Não parecemos muito ardentemente interessados nisso e nos mostramos mais dispostos a aceitar prontamente "informações" de segunda mão, a respeito de nós mesmos.

Como sabem, há iogues, swamis, mararishis, 
— todo esse bando que anda a percorrer a Índia, este país, a Europa, a América.*
Em geral somos tão crédulos que estamos prontos a seguir qualquer um, desde que nos prometa alguma coisa!
Mas, para aprender sobre mim, torna-se necessária a total negação do passado, a negação de tudo o que aprendi a meu respeito,
porquanto sou um ente vivo, em movimento, uma coisa que está constantemente a modificar-se, por força das tensões e pressões da vida diária, da propaganda
— da constante pressão do mundo e da vida de relação.

Queremos traduzir este ente vivo em termos do passado, examiná-lo por meio do passado, e por essa razão é que nos parece difícil aprender acerca de nós mesmos,
isto é, porque temos o padrão do passado, o padrão do "correto" e do "errado", do "bom" e do "mau";
não estou dizendo que não existe "bom" e "mau",
mas temos essa imagem, firmemente arraigada no passado, e ela impede a compreensão do presente, do "eu" vivo.

Apresenta-se, assim, a questão de saber se não há possibilidade de rejeitarmos a autoridade externa dos sistemas espirituais, dos livros, dos guias religiosos, dos teólogos, etc.

Tratemos de recusá-la, bem como a autoridade interna do processo psicológico das experiências acumuladas, do conhecimento, do saber, a fim de termos uma base para começarmos a aprender.
Isso, com efeito, significa: Pode a mente
— ao observar tudo isso com muita simplicidade e clareza, se é uma mente são, e não neurótica, emocional —
pode a mente perguntar então a si própria se é capaz de enfrentar o medo que vem, inevitavelmente, quando uma pessoa se vê completamente só?

Porque, quando se rejeita toda autoridade, tanto externa como interna, e sabendo-se que se está sujeito a errar, que não existe nenhum guia, nenhum filósofo, nenhum amigo para mostrar-nos a direção, se estamos aprendendo a respeito de nós mesmos
— esse medo se apresenta inevitavelmente.

Ele nasce, invariavelmente, por causa da comparação:
alguém alcançou o esclarecimento e eu não alcancei. Desejo alcançá-lo.

Há também o temor de cometer algum erro, de perder tempo. E ainda o de ficar sem amparo, completamente só.
Afinal de contas, nós temos de estar sós
— estamos sós. Ao negarmos totalmente a estrutura psicológica da sociedade —
o que equivale a estar fora da sociedade, como, psicologicamente, devemos estar
— então, evidentemente, estamos sós.
Mas não se trata, de certo da solidão do monge, que é isolamento. Tampouco se trata da solidão da pessoa que se consagrou a uma determinada atividade; nem da solidão da pessoa que ficou abandonada, que não tem lugar na sociedade.
Quando se repudia, por inteiro, a estrutura psicológica da sociedade, fica-se inteiramente só e isso, por sua vez, gera um grande medo. Porque a maioria de nós é o passado e vive com o passado; quanto mais velho ficamos, tanto mais significativo se torna o passado; o passado se torna nosso guia.

É necessário rejeitar tudo isso, porque desejo aprender sobre mim.

E quando o rejeito, existe alguma coisa para aprender a respeito de mim? Já aprendi; nada mais há que aprender.
Não sei se vocês estão percebendo. Pois, o que estou aprendendo acerca de mim mesmo?
Desejo conhecer-me, mas percebo que, para aprender, necessito de estar livre de toda espécie de autoridade, não apenas verbalmente, porém em cada segundo, em cada minuto do dia.
E noto, assim, em mim próprio, a inclinação para seguir, porque sinto medo. E percebo a existência, em mim mesmo, do perigo, do medo de me ver inteiramente só.
E percebo, também, o temor de errar, de não atingir a meta, de não realizar, não conseguir aquela certa coisa existente além de todo pensamento e de toda experiência.

E, após esse exame, o que resta para aprender a respeito de mim?
Já aprendi tudo; já conheço a natureza total de "mim mesmo". Entretanto, resta essa coisa chamada "medo".
E, se me permitem, vamos examiná-la. Porque a mente que se vê presa na rede do medo, em qualquer de suas formas, conscientes ou inconscientes, tem de necessariamente viver num mundo sombrio e de ver as coisas deformadas; jamais compreenderá o que significa ser verdadeiramente livre.
E, porque tememos, criamos, natural e inevitavelmente, toda uma rede de vias de fuga
— o estádio de futebol, a igreja, o bar, etc.
Mas há possibilidade de nos libertarmos do medo?...
Temos a possibilidade de libertar-nos total e completamente dessa coisa chamada "medo"?


Jiddu Krishnamurti, em "A Essência da Maturidade".



*Nota do Arqueiro: hoje não se restringe a somente aos sitados por Krishnamurti. 
Há muitas das "sumidades instituídas", dos que se intitulam "guias e mestres" por "algum curso" que tenham participado ou por 'orientações/instruções' que recebam, por alguma percepção que tenham tido, espalhados por todos os cantos do planeta, onde, em sua grande maioria ou todos, se recusam ou ignoram a se reconhecer, negando o 'seu estado' e as condições/circunstâncias sob as quais nos encontramos; que dissimulam e compactuam, alguns conscientemente, com a ilusão/'controle'.  


APRENDA A APENDER II

Postagem original, em 23.05.2013



APRENDA A APENDER II

Para que eu aprenda a aprender,
devo desaprender e desapegar
sobre aquilo que “penso ser”,
sobre o que "espero", desejo e anseio.

Devo me reconhecer na ignorância,
formatado e formado sobre conceitos e egoísmo...
carente e presunçoso...
cheio de caprichos e mimos...
Não admitindo ser contrariado
ou tendo uma falha descoberta/apontada.

Devo “ver-me” como vejo aos “outros”:
com pouca humildade e muita prepotência.

Desaprendendo e “enxergando-me” como igual 
ao que critico e renego/desprezo,
começo a dar os primeiros passos para me permitir 
a aprender.

ArqueiroHur



quarta-feira, 27 de dezembro de 2017

Pequenos Pensamentos - CCXCVIII

Postagem original, em 14.03.2015


Reconhecer a necessidade de proceder 
ao processo de limpeza
dos corpos inferiores e ambiente
é essencial para a jornada.

Entretanto,
atuar para  
não se produzir e ou evitar que 
a "sujeira" penetre,
revela o "estado de consciência" que garante 
o galgar de um novo degrau/estágio na jornada.

O real processo é interno,
se desenvolve de dentro para fora.

Por ele, a utilização das técnicas
(sejam elas quais forem)
flui somente como um auxiliar
e não como a raiz, 
a "alavanca salvadora" ou alvo do caminhar.
                                                                     ArqueiroHur



A LUZ DO "SER" É PURA ESSÊNCIA DIVINA.

Postagem original, em 16.04.2012


A LUZ DO "SER" É PURA ESSÊNCIA DIVINA.

AO TE MANTERES NA LUZ,
A DIVINA ESSÊNCIA EM SEU "SER" SE INTEGRA.
UNIFICANDO VOSSA MATÉRIA
AOS SEUS CORPOS SUTIS.

SENDO DESPERTADA A CONSCIÊNCIA,
NÃO RESTA A DÚVIDA
OU OPÇÃO PELA ILUSÃO.

POIS, ESTANDO SEU "SER" COMPLETO,
AS CARÊNCIAS E APELOS EMOCIONAIS DEIXAM DE EXISTIR.

NÃO COMPREENDES AINDA
QUE O SENTIMENTO DE VAZIO E SOLIDÃO
É A FALTA DE "SI";
NO DESVIO DA ATENÇÃO PARA O QUE LHE CONFUNDE,
ILUDE E NUNCA INTEGRA.

O COMPLEMENTO É O SUSTENTO
DA COERÊNCIA DO "TODO"
QUE EM HARMONIA SE FUNDE NO RESPEITO
À LUZ DA ORDEM DIVINA.

DESPERTAI VOSSAS CONSCIÊNCIAS
PARA ESTA VERDADE:
"VOLTAR-SE-À PARA SUA ESSÊNCIA"!

FAÇAM A VISUALIZAÇÃO COM A SAGRADA CHAMA VIOLETA,
PARA TRANSMUTAR TUDO O QUE AINDA LHES IMPEDIR:
MEDOS, TRAUMAS, TORMENTAS,
TRISTEZAS OU MÁGOAS.

NÃO SE ESQUEÇAM DE QUÃO PODEROSA,
DIVINA E TRANSFORMADORA
É A SAGRADA CHAMA VIOLETA.

A COLOCAMOS À VOSSA DISPOSIÇÃO,
PARA QUE A USEM "DEVIDAMENTE",
NA ENTREGA EM CONFIANÇA PELO "CORAÇÃO".
EM VOSSA MEDITAÇÃO,
ESTAREMOS LHE DANDO TODO APOIO
E AMPARO NECESSÁRIOS 
PARA ESTA "REALIZAÇÃO".

MUITOS PREGAM O USO "INDEVIDO"
DA SAGRADA CHAMA VIOLETA
(QUE É LUZ E PODER! 
CRIADA PELA DIVINDADE),
PARA QUE SE INICIE UMA "NOVA ERA"
SEM QUE OS FARDOS
E CARMAS SEJAM NECESSÁRIOS.

PORÉM,


QUANDO USADA COM CONSCIÊNCIA
E RESPEITO,
A REALIZAÇÃO SE FAZ.

É O AMOR DA CRIAÇÃO POR SEUS FILHOS.

QUE O "FOGO SAGRADO VIOLETA" OS ENVOLVA.
QUE A PAZ ESTEJA CONVOSCO.

OROMASIS

Por: Luz Da Alma     Em: 14-04-12



A LUZ, a UNIFICAÇÃO e o “jogo de palavras” - Série: Momento Atual e Único (minha visão)

Postagem original, em 23.10.2011



A LUZ, a UNIFICAÇÃO e o “jogo de palavras” - Série: Momento Atual e Único (minha visão)

Você pensa que a LUZ e a UNIFICAÇÃO são a mesma coisa?

Embora estejam interligadas em um sentido, em outro NÃO!

A UNIFICAÇÃO não existe sem a LUZ, mas a LUZ existe e continuará existindo sem a UNIFICAÇÃO.

A LUZ é eterna! E tem diversos níveis e estágios.

A UNIFICAÇÃO é uma oportunidade única deste momento, aqui neste plano...
É claro que ela sempre existiu e se deu, porém, durante TODA A HISTÓRIA DA NOSSA CIVILIZAÇÃO, quantos exemplos de seres que alcançaram, em vida, este patamar da UNIFICAÇÃO nós possuímos?
– Muito poucos, dentro do contingente da humanidade... Somente aqueles que durante anos e anos a fio se dedicaram aos estudos, entre outras coisas, puderam alcançar; além do fato de terem isto como compromisso e assim havendo todo o preparo e encaminhamento do UNIVERSO, para tal. Exemplo maior: JESUS DE NAZARÉ.

A particularidade e o que faz deste momento, tão especial, é isto: o fato da UNIFICAÇÃO estar sendo ofertada a TODOS os que se propõem e se entregam a Ela.

Agora vejam:
Estar na LUZ pode significar, apenas, uma mudança de sintonia e vibração, onde se adquire uma certa consciência, saindo desta forma, do estado de total ignorância que permeia a humanidade.
Digamos: sobe-se 2 degraus.

SER LUZ é estar UNIFICADO, com plena consciência. É ter galgado TODOS os degraus da escada que nos foi apresentada.

Assim, não alimente a ilusão, muito difundida pelo belo jogo de palavras, de que: pelo fato de ter tomado alguma consciência, você está UNIFICADO.
Não! Isto, mesmo não sendo como em outras eras, requer TRABALHO  e entrega.

Ascender?!... Só pelo fato de você estar “buscando”, saindo assim do estado de inércia, ela já está ocorrendo... Mas aonde você chegou ou foi?... O fato de subir os 2 degraus, já é uma ascensão. Ou você não acha?

Não é pelo fato de uma árvore frutífera ter “crescido”, que se pode garantir a qualidade de seus frutos.

Esta condição (de um bom fruto) é e se dá em decorrência de uma série de fatores: solo, adubação, controle de pragas e até mesmo climáticas...

A árvore ter florido, só significa isto: que ela “cresceu” e chegou a sua idade adulta (mudou de estágio/degrau). Nada mais!

Desta forma, procurem perceber o que está “oculto” em certas palavras que viraram muito comuns hoje em dia.
São poucos os que estão atentando e se permitindo“sentir” isto.
ArqueiroHur  



UM PASSO POR VEZ

Postagem original, em 13.06.2013

UM PASSO POR VEZ

No Universo Evolutivo
não há "conquistas" sem "batalhas enfrentadas".
Cada passo, cada bater de asas... 
é uma vitória obtida no rumo do crescimento..

Sim!
Só se cresce/ascende,
quando enfrentamos nossas batalhas internas,
quando não a tememos ou tentamos fugir delas.

Somente quando com humildade aprendemos as lições,
dando "um passo por vez";
quando superamos nossos entraves
(desejos, querer)
e nos libertamos das amarras
(conceitos e convicções)
é que iremos galgar,
subir degraus na nossa evolução.

Sem o meu esforço em caminhar,
sem dar os meus passos, ficarei estagnado,
supondo-me indo;
sem reparar que o que está se movimentando,
passando ao largo,
é o Universo Evolutivo,
que não para e nem pode parar,
seja por minha causa ou de "alguém em especial".

O Universo Evolutivo segue ao TODO,
por ele se vai, se guia e se tem. 

Sou eu que devo acompanhar os Seus passos,
e não Ele "parar ou se retardar" por minha única e exclusiva causa,
em prejuízo de TODOS.

ArqueiroHur



sábado, 23 de dezembro de 2017

Pequenos Pensamentos - LXXIV




Postagem original, em 22.10.2011


                        Cultivar a "vergonha"
                        por atitudes passadas,
                        geridas pela ignorância e inconsciência,
                        é manter-se "preso" e refém,
                        sem se reconhecer e perceber,
                        ao "círculo vicioso" 
                        de suas repetições.


                        Assumir os "desvios passados"
                        é poder romper com os círculos
                        e com aqueles, 
                        que conhecendo-os,
                        ainda nos dominam.  
                        É poder, assim, encontrar 
                        a liberdade do caminhar.
                                                                                ArqueiroHur





O JULGAMENTO.- MARIA, MÃE DOS FILHOS DA TERRA.

Postagem original, em 14.04.2012

O JULGAMENTO.

“A MISERICÓRDIA DIVINA
DESCERÁ SOBRE OS JUSTOS. 
A JUSTIÇA DIVINA
SE FARÁ PERANTE AS COVARDIAS QUE SE DÃO, 
DEFENDENDO OS INOCENTES
E PUROS DE CORAÇÃO.
POR ISSO,
ERGAM-SE OS FILHOS DA CRIAÇÃO!


A FÉ CEGA NÃO LEVA A SALVAÇÃO.
E SIM A CONSCIÊNCIA DE QUEM ÉS,
E A QUAL LADO PERTENCES,
É O QUE O FAZ.

A ESSÊNCIA NÃO NEGA SUA FONTE
E NÃO SE CORROMPERÁ
PERANTE AO QUE SEUS OLHOS RELATAM.
NEM NAS INSEGURANÇAS DAS AREIAS MOVEDIÇAS
QUE PISAM SEUS PÉS,
QUANDO HÁ O CONHECIMENTO E RESPEITO 
A INTEGRIDADE DO SEU "SER".

POR ISSO, FILHOS DA LUZ:
CONFIEM EM SEUS CORAÇÕES
COM HONESTIDADE EM SABER QUEM SÃO
E CONSCIÊNCIA NAS VOSSAS ESCOLHAS.
NO AMOR FRATERNAL,
PELA E POR TODA CRIAÇÃO.


NÃO SE CORROMPERÁ
AQUELE QUE ANDAR SEGURO
PELO CAMINHO DO BEM,
DA SIMPLICIDADE, DA JUSTIÇA,
NA LUZ DA VERDADE.

NÃO TEMERÁ AQUELE QUE SE CONHECER,
POIS ELE VERÁ ALÉM
DO QUE SEUS OLHOS VISLUMBRAM.
TENDO A CONFIANÇA DO AUTO-DOMÍNIO,
DESCARTANDO TUDO
QUE TENTAR CORROMPER SUA MORAL E CONDUTA.

"A SERPENTE OS ESPREITA!"
MAS, TUDO QUE CONSEGUIRÃO OBTER
É "CARNE PODRE".
"QUE SE FARTEM OS ABUTRES,
COM SUAS MISÉRIAS".

POIS A VERDADEIRA ESSÊNCIA,
NUNCA SE CORROMPERÁ.
E A LUZ DA JUSTIÇA DIVINA
PREMIARÁ TODOS OS SEUS FILHOS,
NA EVOLUÇÃO POR AMOR A CRIAÇÃO.

MARIA, MÃE DOS FILHOS DA TERRA.

Por Luz Da Alma      Em: 13-04-12







A fé cega é uma faca amolada

Postagem original, em 11.01.2014



A fé cega é uma faca amolada

“... A FÉ CEGA NÃO LEVA A SALVAÇÃO.
E SIM A CONSCIÊNCIA DE QUEM ÉS,
E A QUAL LADO PERTENCES,
É O QUE O FAZ...”
-Maria, Mãe dos filhos da Terra,
em -O JULGAMENTO-


Quem pode lhe dar a compreensão sobre
o que você nega enxergar?...

Quem pode atuar com o rever sobre as suas
atitudes, ações e reações?...

Quem pode reconhecer o indevido por você, 
aprender e colocar o perdão verdadeiro
(onde não há mais repetições) sobre ele?...

Quem pode encontrar o equilíbrio
em e por você?...

Quem pode dar os seus passos 
e definir o seu destino?...


É... pode-se sempre, aqui neste plano,
encontrar respostas que vão para além da responsabilidade
de cada um sobre o caminho.




"As orações,
os ritos pelos quais os crentes imploram ajuda ao Céu,
só são eficazes se eles puserem um pensamento claro,
um sentimento ardente,
nas suas palavras e nos seus gestos.
De outro modo, é inútil.

E de nada vale eles depois perguntarem 
por que é que sofrem,
por que é que o Céu não responde às suas orações,
por que é que ele não os ajuda…

É muito simplesmente
porque eles não emitiram essa corrente poderosa 
graças à qual podem entrar em contacto 
com o mundo divino.

As palavras e os gestos não são nada
se não forem apoiados, vivificados,
pelas vibrações da alma e do espírito.

Exprimir o seu sofrimento
não é suficiente para ser ouvido pelo Céu.

A intensidade de um sofrimento
que impele os seres a pedir ajuda apenas se traduz,
muitas vezes,
por uma agitação interior em que a alma e o espírito
pouco participam.

É na harmonia e na paz interior
que a oração é um poder capaz de tocar o Céu."

-Omraam Mikhaël Aïvanhov-



A fé cega é uma faca amolada
que cerra e encerra o caminho do SER.

Sim!...
orar/pedir, esperar e não atuar, 
é algo que serra e corta o trabalho do rever,
da responsabilidade e consciência nos passos e caminhar.

ArqueiroHur    



Sobre o arrependimento


Postagem original, em 16.11.2014



Sobre o arrependimento

Por que e “do quê” nos arrependemos, você já se perguntou?...

O “arrependimento” é o fruto que advém 
das ações e atitudes tomadas e medidas 
sob quaisquer interesses.

Nós nos arrependemos, por não termos conseguido o que pretendíamos, tanto de pessoas (atitudes, respostas e etc.), como de situações.

Onde não há “algo a ser alcançado/conquistado”, algum objetivo
pré-concebido, não há, também, o sentimento de arrependimento.
  

Sem o interesse, não há o arrependimento, pois não existirá a comparação ou o sentido/conceito de “perda ou ganho”, que é o solo fértil onde ele brota.

Onde há consciência, não há o “arrependimento”,
já que, mesmo que o resultado não seja o ‘esperado’,
sobre o sucedido surgiu/surgirá o aprendizado e o crescimento;
não havendo assim, do que se lamentar.
Portanto, o “arrependimento” somente vigora onde não há consciência.

Todos nós já fomos criança e ou, em sua maioria, tivemos o convívio com elas (filhos, sobrinhos ou afins), e pudemos observar como elas se lançam nas situações/brincadeiras, enquanto ainda não “envenenadas pelas mentes humanas”.
Elas se lançam pelo prazer de viver e experienciar!
Se “caem”, levantam para tentar de novo, sem lamento ou culpa;
e o fazem, até que consigam ficar de pé. Ou seja, até que tenham conseguido encontrar o seu equilíbrio.
Então, para elas, não há o arrependimento, elas o desconhecem!

É..., a criança antes de ser formatada, com os “sins e nãos”,
permitido e proibido”, “certo e errado”, enfim...,
‘flutua’ somente pela dádiva de “aqui estar”,
sem julgamentos ou comparações.,
Mantendo-se aberta ao crescer.


Então, volto a indagar:
- Por que e “do quê” você se arrepende, 
você já se perguntou?...
ArqueiroHur