INFORME

Mediante os movimentos aos quais devo proceder e acatar, em respeito a vocês, meus Queridos Irmãos (ãs), ainda estou aqui. Entretanto, pode acontecer que as postagens não ocorram de forma como vinham se dando: diariamente.
Desta forma, não estranhem caso haja tal situação.
Que a Ordem Divina, permaneça em nosso caminho.

sábado, 24 de dezembro de 2016

Nível e estágio – igualdade e particularidade - I

Postagem original, em 08.09.2013


Nível e estágio – igualdade e particularidade - I

a) Dos estágios

1- Estágio humano – em virtude do plano/dimensão em que nos encontramos neste planeta, com corpos densos, possuímos, em princípio, um estágio de igualdade como humanidadeonde todos temos:
- a mesma constituição física/energética (com seus corpos/aspectos).
- véus que encobrem/nublam nossa essência/origem e nos dão este estado de entorpecência, adormecimento e alienação em relação ao TODO. 
Além de sermos formatados dentro dos padrões sociais/religiosos, que estimulam o egoísmo e a separação.

Ou seja: TODOS nós, humanos, estamos aqui sob a influência da ignorância/sombra, separados do SER/TODO e seguindo no individualismo; tendo, a princípio, o mesmo trabalho de limpeza e cuidado com os corpos mais densos (físico, etérico, emocional, mental e alma).
                                                                                                                             
Este estágio humano deve ser o primeiro a ser reconhecido, para que a partir disto/dele, possamos entrar no estágio da particularidade.
Neste estágio humano/coletivo, estamos e ficamos sujeitos
“as marés e suas correntes”, presos aos acontecimentos e karmas sociais; aos conceitos, dogmas e tendências/rumos indicados.



2- Estágio da particularidade – este estágio começa a se dar/desenvolver quando damos “uma pequena voz/vez” ao nosso interior/coração e percebemos que somos diferentes do coletivo, que possuímos discordâncias quanto ao que é enunciado e anunciado por este coletivo social/religioso. 
Que há algo além do dito e preconizado, que em nosso interior existe uma “chama/fogo” querendo se alastrar.

É por este estágio da particularidade, que quando aceito, vamos ou podemos nos libertar tanto das questões (karmas) pessoais como das coletivas, desta e de outras passagens, pelo entendimento/consciência do indevido e da sua não repetição. 
Este estágio da particularidade nos apresenta/leva a uma bifurcação, onde ou percebemos o TODO, ou acentuamos o individualismo com sua soberba, prepotência e “supremacia diante dos outros”, sejam de que reino, espécie ou etnia o forem.

É o estágio particular da escolha! Onde definimos ao que viemos e ao que seguimos.

E é por esta definição (que ocorre dentro deste estágio), que com determinação, humildade, coragem e persistência, 
    podemos acessar o nível de consciência do SER,
    se por este caminho resolvermos trilhar...

Não pense que somente você teve ou tem direito a este estágio, que muitos dos seus conhecidos e ou parentes/familiares o desconhecem.

Não!..., ele foi e é ofertado a TODOS os humanos, independente do nível de consciência individual do SER.

Este estágio faz parte das Leis da Criação para este plano/dimensão, não distinguindo ou excluindo a nada nem a ninguém.
    Ocorre que ele é individual e demanda da aceitação do “queimor interno”. Não podendo nada nem ninguém interferir nele.  


Então, reconhecer, aceitar e atuar nestes estágios, discernindo as suas igualdades e particularidades (o que é seu exclusivamente, por toda a sua vivência e experiências) é o que lhe faz caminhar/retornar para o Seu SER em comunhão com o Universo Evolutivo.


ArqueiroHur



O ENTENDIMENTO e a ACEITAÇÃO

Postagem original, em 02.05.2013



O ENTENDIMENTO e a ACEITAÇÃO

Não há entendimento sem aceitação.

Sim!!!... É ao aceitar-me individualizado, formatado
que permito rever os conceitos e parto 
para deixar surgir o entendimento.

Somente aceitando que meus conceitos são egoístas,
que atuo pela minha vontade, 
buscando ter meus desejos e quereres atendidos 
é que vou “dar voz” e vez aos recados 
que meu SER e o Universo me dão constantemente.

Enquanto me mantenho “preso” aos meus desejos
e ao que me foi dito como verdadeiro pelo mundo (conceitos),
não aceito qualquer mudança ou revisão
e assim, é claro, que não tenho o entendimento,
por não querer, em verdade, tê-lo;
pois o que é “apontado”, discorda  do que desejo, busco
e me é confortável.


É o “recado” que Jesus de Nazaré nos deixou na cruz:
“Pai seja feita a Tua Vontade
e não a minha.”
Nela, Ele reconhece a dicotomia, discordância
e a bifurcação existente entre a Vontade Divina
e a nossa, calcada nos desejos e conceitos.
E se entrega, aceitando-A,
mesmo “não sabendo qual seja”, 
ou sendo Ela discordante da sua pretensão..., rompendo ao mesmo tempo,
com o controle que o ego objetiva.


É muito recorrente esta fala:
- Eu não consigo entender!

Mas, se você for honesto consigo mesmo
e se aquietar para rever-se diariamente,
irá perceber que onde utilizou-se desta fala,
na verdade houve a não aceitação do apontado
ou do desfecho da situação.

É, o “não entender” é utilizado como justificativa
e desculpa para esconder a insatisfação
e o não aceitar...

Ex: no processo da “dependência” aqui implantado,
a responsabilidade sobre o “destino” foi atribuída
a terceiros, como a “deus externo” ou ditada
por agraciamentos provindos de “promessas”,
“simpatias”, rituais e outras coisinhas mais...
Onde mantenho toda a minha conduta egoísta
e irresponsável, por o “destino” não me pertencer,
ser determinado por ‘este deus’ ou pelas “compras”
que efetuei. 
Ficando indignado quando não obtenho meus desejos 
ou sou contrariado. Dizendo sempre "não entender"
o porque que se deu aquilo na minha vida,
responsabilizando sempre à alguém ou à alguma coisa,
jamais vendo como consequência dos meus 
próprios atos e condutas.

Também não percebo que quando afirmo:
não consigo entender,
fecho a porta para que o entendimento ocorra;
tanto desconfiando do meu SER,
como colocando-o, já que sou parte Dele, 
como incapaz de compreender.


Assim, procure aceitar mais,
sem tentar entender pelos conceitos
ou pelas suas pretensões.  
Permitindo que o entendimento surja   
com a mudança da sintonia/vibração,
sendo consciente e fruto da VERDADE e da LUZ,
não de algum interesse mundano.

Alguns devem estar retrucando neste momento:
- Como aceitar o que não entendo?

Ok... é até uma pergunta pertinente,
porém, você faz esta mesma pergunta
quando algo é anunciado por um “doutor do mundo”
ou vem ao encontro do você deseja?... Não, não é!
Pois estas colocações, 
por verem tudo também de forma egoísta e apartada do TODO, 
não são discordantes da sua pretensão,
tendo a vibração "mais confortável" para o estado/estágio
em que se encontra. Sem mudanças ou esforços. 

Além de que, a aceitação faz parte
da confiança que se tem no próprio SER
e no Universo Evolutivo,
rompendo com o controle
que segue ao que se vê ou quer.

ArqueiroHur