INFORME

Mediante os movimentos aos quais devo proceder e acatar, em respeito a vocês, meus Queridos Irmãos (ãs), ainda estou aqui. Entretanto, pode acontecer que as postagens não ocorram de forma como vinham se dando: diariamente.
Desta forma, não estranhem caso haja tal situação.
Que a Ordem Divina, permaneça em nosso caminho.

quinta-feira, 17 de novembro de 2016

Reconhecemos o significado e destinação do nosso “estar no mundo"...?




Reconhecemos o significado  
e destinação do nosso “estar no mundo"...?



“Existimos, a que será que se destina?”

Postagem original aqui, em 25.05.2012
            


Não é por acaso que desconhecemos ou ignoramos
o sentido, significado e destinação
do nosso “estar no mundo"...

Muitos passaram (estiveram) 
e muitos estão passando pela existência sem reconhecer-se
e conduzir-se em consonância
com o sentido de sua existência, atento, consciente,
ciente, autenticamente dado
ao/no convívio com os outros (toda Criação).

Os discursos proferidos,
o “tom” dos apelos pela “necessidade”
da mudança de postura 
no que diz respeito ao “convívio” e “trato” com os outros
e pela construção de uma (nova) "mentalidade planetária",
por si só, apenas atende a voga de uma pseudo consciência,
forjada pelo temor e pelo interesse (de preservação
e segurança), particular e/ou coletivo,
diante do que se anuncia.

Nós, porque (e quando)
nos distanciamos de nossa natureza (essência/Ser)
nos deixamos levar por esse modo de ser e estar...
Falta-nos o “olhar” razoável, a atitude razoável,
uma postura razoável diante do mundo,
para com nós mesmos, para com os outros,
para com o Todo...

A “consciência de si” (o reconhecimento de si),
a autêntica relação conosco e com o Todo,
não passa pelo temor ou pelo interesse, 
passa pelo sentir e pelo entendimento do que nos cabe ser,
de como devemos agir, de como devemos “atuar”,
enquanto aqui estivermos.

É por aí que damos passos
no sentido compreender o sentido de nosso “estar no mundo”,
que reconhecemos o significado e destinação de nossa existência 
e da existência de cada coisa, de cada um dos outros.

Usee
  



Estar Próximo...

Postagem original, em 23.07.2011



            Estar Próximo...
            É não pegar na mão,
            Pelo medo de ter de abraçar.

            Estar próximo...
            É ficar na beira da praia,
            Sem se lançar ao mar.
            Na espera do talvez...
            Da onda, vir lhe buscar.

            Estar próximo...
            É não querer perder,
            Aquilo que não quis obter.

            Estar próximo...
            É ficar na penumbra.
            É não ser nem LUZ, nem sombra.
            É temer... Amar.

                                     ArqueiroHur


Adendo: Amar o AMOR do SER, Sendo-O. O AMOR desinteressado e pelo TODO.



Estar Próximo... II – a lâmpada

Postagem original, em 30.09.2013


Estar Próximo... II – a lâmpada

Está muito arraigado nos princípios humanos,
a lógica de que se estando próximo do que
consideramos “luz” (lugares/objetos ou pessoas),
se está “guardado” ou adquirindo clareza.

Crê-se que ao se manter a lâmpada do quarto ou ambiente
acessa, eliminou-se a sombra e se está protegido.
E que é devido sugar/absorver e se utilizar
daquela “luz”/energia da lâmpada...


É certo que o contato/proximidade com um nível de consciência mais elevado pode ser um grande referencial e instrumento
na e para  a jornada evolutiva, do crescimento.


Porém, nesta e com esta convicção da proximidade,
não é isto que se desenvolve.
Pois, sendo-se induzido pela falsa clareza da lâmpada,
não se observa e nem se percebe a frequência vibratória dela,
encarando-a como “salvação” e não como exemplo.

Não se compreende que a lâmpada é apenas um reflexo,
um efeito,
possuindo diferentes níveis de intensidades/potência.
E mais: que com esta prática da proximidade,
nega-se a própria LUZ e consciência
(que é onde se encontra o equilíbrio, a real cura,
a direção e caminho),
cultuando e idolatrando o externo.   

Assim, o estar próximo nada mais é do que  iludir-se,
de negar que se é o responsável pelo caminhar
e de considerar que se pode enganar/manipular a Criação
com o interesse aparentado.

ArqueiroHur