INFORME

Mediante os movimentos aos quais devo proceder e acatar, em respeito a vocês, meus Queridos Irmãos (ãs), ainda estou aqui. Entretanto, pode acontecer que as postagens não ocorram de forma como vinham se dando: diariamente.
Desta forma, não estranhem caso haja tal situação.
Que a Ordem Divina, permaneça em nosso caminho.

segunda-feira, 12 de dezembro de 2016

Pequenos Pensamentos - CCXLII

Postagem original, em 06.12.2013


Temer "não chegar",
é decretar a estagnação 
e fortalecer 
a limitação e a separação do SER.

Reconhecer-se no caminho
(consciente dele),
é tornar-se LIVRE,
permitindo-se ir/aportar
aonde a Vontade Divina levar/determinar.
                                                           ArqueiroHur 



A verdadeira consciência



Foto: Aleh
Postagem, original aqui, em 05.02.2013




A verdadeira consciência


É comum e recorrente o uso do imperativo
de que é preciso “se conscientizar” de/sobre algo
ou alguma coisa,
como se esta necessidade encontrasse
seu “ponto” de partida e chegada no externo,
como se ela adviesse de algo
ou de uma situação puramente externa.

Já escutaram um dito popular que diz
que algo “entra por um ouvido e sai por outro”,
quando não há interesse
ou quando há descaso de alguém em relação a algo
ou alguma coisa?

Pois é,
com a “consciência” ou com o “conscientizar-se”
acontece o mesmo... 
Pelo simples fato que ninguém é consciente
porque o outro/externo quer,
que ninguém escuta ou muda uma postura ou atitude,
etc., senão escutando a si mesmo...

Não adiantam os imperativos!
O externo só nos faz “conscientes” ou “conscientizados”,
se houver em nós, bem acesa, disposta e atenta,
a capacidade para “ver e enxergar”,
“escutar e compreender”, “vivenciar e aprender”
com o que ele produz e/ou reproduz.

A “consciência” vem da disposição e predisposição interior
ao assentimento para com aquilo que nosso Ser evidencia,
faz ver e revela diante das situações, das vivências,
das relações, dos eventos, fenômenos, acontecimentos, etc.

Ela só é acionada na medida em que
nos deparamos com o externo e seus eventos
e nos dispomos a enxergá-los, compreendê-los e aprender.
Isto depende unicamente de nós,
do nosso aceite e escolha em escutá-la em nós,
em escutar nosso Ser no que ele tem a nos dizer.

Acontece que somos atropelados o tempo inteiro pelo ego
e pelo externo;
com suas questões e interesses. 
Aquiescemos com o que ele acolhe e recolhe daí;
com o que produz, reproduz e alimenta em nós
(egoísmo, ilusão, fuga, escoras, acomodação, etc.).

É por isso que as vozes que se levantam para clamar
que “é preciso conscientizar-nos”
que “precisamos ter consciência”,
esbarram na indiferença ou na adesão pelo modismo passageiro
( e são tantos os exemplos conhecidos!),
acabam "entrando por um ouvido e saindo por outro"...



              Foto: Aleh


Enquanto estivermos submetidos, entregues
e aquiescentes a estes (o ego e o externo),
deixando de observar-nos, escutar-nos
e rever-nos interiormente,
vamos sair por aí repetindo e clamando por “consciência”
ou aderindo a este clamor momentaneamente
sem, no entanto,
ter o entendimento do que seja a verdadeira consciência;
aquela que está em nós precisando ser desperta.

Usee

http://luzsobremeuser.blogspot.com.br/search?updated-max=2013-02-01T23:48:00-03:00&max-results=4



A CONSCIÊNCIA - Série: Momento Atual e Único (minha visão)

Postagem original, em 30.08.2011



A CONSCIÊNCIA - Série: Momento Atual e Único (minha visão)

É mais do que sabido hoje, que somos energia e ela está em TUDO, a TODO MOMENTO. Mas realmente vivemos desta forma, com esta consciência?

Mantemos ainda certos costumes ou manias, de achar que podemos ser “vários”, sendo: 
“um no banheiro” ou no quarto, outro com os amigos, um 3º por detrás desta máquina e por aí vai...  
Pensamos que só com a concretização na matéria, é que algo se forma ou gera efeitos.

Não! A “criação” não surgiu da matéria! A matéria é que surge da energia.

Dizem: que é o “leitor” que “traduz” o texto. Sim, mas nesta questão de energia há uma fusão, ainda que momentânea, com o autor e seu propósito se dando ali, como neste agora, em que você me lê. A “realização” do meu intuito já está feita. 
Você pode ou não: captá-la, entende-la e aceitá-la. 
Mas a minha energia está aqui, indo até vocês e a de alguns, vindo até mim.

Quando “encontro” alguém e neste caso pode ser: por esta máquina, pessoalmente ou mesmo em pensamento; estou permitindo a “união” com esta energia.

Tudo se dá neste instante. A “concretização” já está se dando neste momento.

Neste momento único, em que buscamos a consciência plena e constante, não devemos esquecer este pequeno mas fundamental ponto. 
E assim, só devemos permitir a “fusão” ou “união”, em dois casos:
1º - de aprendizado, crescimento e o
2º- quando tenho condições de auxiliar o outro.

No mais, se realmente busco o caminho Evolutivo e quero aproveitar este momento, tenho de me manter consciente de que não tenho mais “tempo” para distrações e ou “ocupar e preenchê-lo”. 
Não posso mais achar que ainda posso “ser vários”, sempre de acordo com o ambiente que estou. 
SOU UM em cada lugar e no que estiver fazendo. 
Minha atitude e postura, devem ser sempre uma só, voltadas para o TODO e minha Evolução.

Se estou “deprimido”, devo procurar o “foco” em mim. 
Pois a causa está em mim. Devo tentar descobri-la e compreende-la! E não negar sua existência buscando algo “fora” que me faça esquecê-la.

É claro que nem todos têm a coragem de “entrar” em si mesmo. 
Mas então, não devem também se enganar “ocupando” seu tempo, com informações que não vai praticar. 
É preferível, ir para a “boite”, cinema, enfim... Para lugares e situações, em que se sinta bem. 
Pois, SER CONSCIENTE é antes de mais nada,
ser honesto consigo mesmo, definir o que “quer” e se lançar.
ArqueiroHur