INFORME

Mediante os movimentos aos quais devo proceder e acatar, em respeito a vocês, meus Queridos Irmãos (ãs), ainda estou aqui. Entretanto, pode acontecer que as postagens não ocorram de forma como vinham se dando: diariamente.
Desta forma, não estranhem caso haja tal situação.
Que a Ordem Divina, permaneça em nosso caminho.

domingo, 6 de novembro de 2016

Pequenos Pensamentos - CCLXXVI

Postagem original, em 31.07.2014


Quando é o "fim" o principal
(meta, propósito...),
e que dita e rege os passos, as ações
(os "meios"),
é sinal de que o "princípio" está corrompido,
subjugado pelo querer/interesse. 
                             ArqueiroHur



Os caprichos humanos


Postagem original, em 06.12.2012



Os caprichos humanos


Não são poucos os caprichos humanos vindos da ideia
de tudo poderem, por serem “imagem e semelhança à deus”.

Dentro deste princípio de individualismo, egoísmo
e de suma prepotência;
faz-se qualquer coisa para ter o seu desejo e vontade
atendidos, supridos.

O texto abaixo, nos relata uma pequena ponta destes
caprichos, em termos de humanidade/coletividade, 
que não nos importamos de possuir
ou nem os percebemos...

"O progresso técnico seria uma das melhores coisas
se os humanos não o pusessem, como fazem,
ao serviço da sua avidez, o que traz como consequência
o risco de eles destruírem as próprias bases
da sua existência na terra.
Por isso, o progresso técnico não é o verdadeiro progresso.
Ser capaz de enviar engenhos para a Lua
ou para outros planetas é extraordinário, evidentemente.

Mas, afinal, para que é que isso serve?
Para explorar os seus recursos
e fazer os mesmos estragos que na Terra?
Para guerrear no espaço?
Para ir semear a confusão em todo o universo?...

Não há nada de mau em querer explorar o cosmos,
mas só depois de se ter encontrado
a atitude certa a adotar em relação à terra.

Os humanos não respeitam nada,
consideram-se os senhores do universo,
estão dispostos a perturbar tudo para satisfazer a
sua curiosidade ou a sua cupidez.

Pois bem, eles devem saber que um dia
terão de pagar muito caro essa falta de respeito                   
e essa violência."

-Omraam Mikhaël Aïvanhov-

ps: A tecnologia é apenas um dos caprichos que afetam não só ao planeta como a tudo que nele habita.
A 'química' e a 'genética', alterando substâncias e "criando" outras, formam também
"um grande prato" de desrespeito ao TODO e à Criação.





É, tanto em termos coletivos, quanto individuais devemos
observar e inibir estes caprichos.
E para tal, devemos reconhecer este conceito da
“imagem e semelhança”, primeiramente em nós mesmos,
para poder desfazer os princípios e as consequências
que dele brotam;
e  aí, com atitudes menos egoístas, iremos também
poder lutar para contra os caprichos coletivos.

Somente na observância dos caprichos e conceitos
deixarei de somente ser um humano,
e me tornarei um SER Humano.
ArqueiroHur




A CORAGEM em dois momentos e sob o mesmo fim


Postagem original, em 03.01.2012


Coragem ou determinação, propósito?



Muitos vivem se justificando, dizendo que lhes falta coragem para promover qualquer mudança em seus hábitos, para praticar a Verdade que existe e se aponta em si, para se reconhecer...

Mas, será mesmo  que “a falta” é de coragem?...



Ora! Coragem é algo que todos possuem 
(é inerente a todo “animal”, nasce com ele, assim ele “defende” a si mesmo e a suas crias e busca seu alimento)
sendo a questão exata a ser observada é “onde e quando”, em que propósito ela é aplicada, para qual fim...

- Você nunca teve coragem de realizar aquilo que “queria ou desejou”?... 
Será mesmo?... 
Faça um pequeno esforço e se lembre de algumas situações...

Tá bom!... Vou dar uma “ajudinha”...

- Você “nunca” pegou uma bala ou “algo escondido” (um pedaço de bolo, algum doce, enfim...) dos seus pais?

- Na escola, jamais cabulou uma aula, para “namorar” ou fazer outra coisa?... 
Nem “olhou de esguelha” para a prova de um colega, procurando “aquela resposta” que você não sabia, daquela matéria que você "não gostava muito"?...

- Sempre “falou a verdade”, foi sincero com todos ao seu redor?... 

Ah! Já sei, nestes momentos em que “escondeu algo”, dissimulou ou omitiu os acontecimentos você “tinha” de agir assim, né?!... 
Você teve seus “motivos”, aqueles interesses só seus... 
E afinal, eram “coisas pequenas”, sem importância...

- E o que você teve de fazer, promover para “manter” estes “pequenos atos”?... 
O quanto que algumas situações “cresceram”, pois, foram “meio que percebidas” por outros?...

É! Mas em todas estas situações, você teve coragem!... 
Em todos estes momentos, os seus atos foram de coragem, pois, você lá no seu íntimo, sabia que estava contrariando algo ou alguém... 
Coragem na sua efetuação, como também na sua manutenção!

Bom!... É claro que tudo isto, aqui colocado, fica restrito e condicionado ao fato “de você querer se ver”, de ter sido honesto e sincero com você mesmo... 
O que levaria a condição e conclusão de você perceber que a coragem existe dentro de você e que ela só foi aplicada, nas questões do seu interesse.

Assim, se você realmente deseja VIVER este momento único, crie esta determinação de crescer e SER, aplicando esta coragem que sempre se apresentou para o seu interesse, desejos e vontades neste propósito.

Use a coragem inata que tens para “salvaguardar” os seus, para dar-lhes o que julgas necessário; a mesma coragem que tens para buscar seu alimento... e SEJA VOCÊ!... Aplique esta coragem para o SEU SER, para o TODO... para estar na VERDADE e no AMOR!  

Que a Verdade e Ordem Divina se instalem no seu caminhar.
ArqueiroHur



CORAGEM

Coragem é uma questão de ser, estar e fazer. 
Eu “sou” eu quando tenho coragem. Eu “estou” quando tenho coragem. Eu “faço” quando tenho coragem.  
Trocadilho ou não, é assim mesmo!

Por que nos falta a coragem? 
Porque é arriscado estar “aberto” diante dos outros. 
É exposição demasiada assumir-nos, ali, onde somos mais frágeis: 
no nosso medo de ser.

Por exemplo, quantos de nós tomamos a verdade com princípio e a exercemos com coragem? 
Escondemos nosso ser por trás da inverdade e rolamos a bola de neve indefinidamente. Ser verdadeiro pesa, sinceridade pesa, frontalidade pesa. 
Temos medo do quê, para ser verdadeiramente o que é preciso ser; para sermos verdadeiros?

“Estar” no mundo é um risco, existir é um risco que nos cabe. 
“Viver é arriscado”. 
Mas é um risco a se correr com bravura, dia após dia, até que não nos caiba mais fazê-lo.

Quantos de nós acovardamos diante das situações, diante da vida, diante dos outros? 
É difícil estar aqui, diante da existência, diante do outro? 
Claro! 
Mas como passar pela vida sozinhos?

Do mesmo modo, quantos de nós fazemos algo ou agimos, sem medo, com dignidade?

Que móvel conduz as nossas ações; o que fazemos? 
Em função do que ou de quem fazemos o que temos ou precisamos fazer, agimos como é preciso e temos que agir?

É preciso coragem para ter e exercer a coragem. 
E esta implica risco, perigo, medo, obstáculo. 
Implica também (virtudes) bravura, determinação, superação.

Engraçado... Em nossa falta de coragem para ser e estar esquecemo-nos que o que precisamos vem de dentro. 
A força que nos pode impulsionar, e que impulsiona, a bravura, determinação e superação só nós podemos ter (e é uma questão de ser – ou não ser). 
Mas não! 
Deixamos incidir e ser determinante sobre nós o externo (risco, perigo, medo, obstáculo). 
É por isso que nos escondemos (de nós mesmos e dos outros), evitamos (ser e estar) fazer, agir, e fugimos. 
Afinal, é mais fácil fugir.
[Usee]





SER e ESTAR, uma equação.

Postagem original, em 08.09.2012


SER e ESTAR, uma equação.


Para SER a LUZ, 
tenho obrigatória e indivisivelmente
de ESTAR na LUZ.


Entretanto, 
posso ‘estar na LUZ’ e não necessariamente sê-la;
apenas, momentaneamente, ‘passando’ por Ela.

????

Sim, pois para SER LUZ, há de fluir a consciência em constância.

Este é um ‘estado de equilíbrio’ onde se domina as situações/momentos sem evita-las ou ‘controla-las’.

Neste estado se passa pelas situações/momentos sem se ‘deixar’
envolver, influenciar e ou desequilibrar. Sem 'manipulações'.

SER é o ESTAR constante!

E quando é que ‘estou’?

O ‘estar’ se dá nos momentos e situações em que me volto para a LUZ. 
Que sejam por conceitos (religiosos ou sociais), por convicções
ou valores morais; com atitudes ‘fora do ego’ (solidárias, simples, silenciosas e humildes)... 
Mas logo em seguida ou no restante do meu dia, ainda sigo e fico ‘preso’ a um outro padrão, permitindo-me a uma sintonia com outras frequências/vibrações. Tanto por falta de consciência/entendimento, como por caprichos (vontades, desejos, teimosias, vaidade...).

E embora este ‘estar’ seja valioso pela ‘entrega momentânea’, ele não representa SER pela inconstância de atitudes e flutuação em várias frequências/vibrações, além da falta de consciência.


Desta forma, conforme e quando este ‘estar’ vai se tornando mais frequente, constante e calcado em consciência; vai, também, atraindo e fortalecendo o ‘ESTADO DE SER’ e a nossa ‘equação’ se resolve.

Neste 'estar flutuante/oscilante' ainda não me responsabilizo 
pelo meu TEMPLO e Santuário. 
Acho que o Universo fará por mim,
principalmente pelos 'meus momentos de entrega/doação', preso que ainda estou aos princípios de que é 'dando que se recebe' ao invés
do NOVO: 

É SENDO
(com atitudes, revisão, entrega, solidariedade, humildade, destemor, responsabilidade, determinação...)
QUE SE É!

ArqueiroHur