INFORME

Mediante os movimentos aos quais devo proceder e acatar, em respeito a vocês, meus Queridos Irmãos (ãs), ainda estou aqui. Entretanto, pode acontecer que as postagens não ocorram de forma como vinham se dando: diariamente.
Desta forma, não estranhem caso haja tal situação.
Que a Ordem Divina, permaneça em nosso caminho.

sexta-feira, 6 de janeiro de 2017

O Plano Divino


Postagem original, em 26.10.2013


O Plano Divino

Para cada um dos Seres que aqui encontramos
(de qualquer Reino, espécie ou dimensão),
há um plano, idealizado, aceito e acordado
entre este Ser e a Criação.
Plano este, que vai além do seu crescimento individual,
muito embora, dependendo deste crescimento
para que possa ser efetuado.
É algo voltado para a própria Criação/Todo,
para a sua percepção e comunhão.

Para podermos ter uma ‘visualização’:
a planta cresce, gerando frutos
e estes sevem de alimentação para muitas
espécies, além de carregarem as sementes
que permitirá o nascimento de outras plantas.

Assim, o crescimento da planta tem um âmbito
muito além da individualidade, sendo voltado para o TODO.
Então, este “plano” se torna Divino
quando esta planta o cumpre,
fornecendo o alimento para várias espécies
e tornando-se, com sementes saudáveis,
a genitora de novas gerações de plantas,
entre outras coisas.
Pois elas também podem servir
de abrigo/moradia para muitas espécies;
sustentar o solo contra erosões;
possuir propriedades medicinais;
permitir construções ou embarcações
com seu tronco;
enfim...

Na ilusão e prepotência humana,
se crê que se cumpre também o Plano Divino,
por “cuidar dos seus e da cria”.
Porém, é esquecido nos conceitos e formatação humana que:
o alimento do SER É A CONSCIÊNCIA.

E onde há consciência numa semente que é voltada somente 
para si?...
Ela será saudável, sendo egoísta e controladora?...
Gerará bons frutos e crias nesta condição?...



Por acaso, a planta “escolhe a quem” irá fornecer o seu fruto,
ou aonde suas sementes germinarão?...

É ela quem determina a qual espécie fornecerá abrigo
ou alimento?...

Ela estipula qual “o uso” das suas propriedades ou madeira?...   
   
Se a planta ficar preocupada com o destino 
de suas sementes e frutos,
querendo mantê-los ali, sob a sua tutela e controle
- como nós fazemos-
ela se perderá do TODO, da liberdade de criação da Criação.
Terá um crescimento restrito, egoísta e falso,
somente aparente, de tamanho.

Então, se você se propõe a cumprir o Plano Divino do Seu SER,
se permita e se entregue a consciência do TODO
que se encontra Nele, Seu SER.
Saia, rompa com a prisão do que você acha, pelos conceitos 
e pelo que se vê.

Simplesmente seja!

Sem se preocupar com o ‘para quem’ vai o seu fruto
ou em qual destino será dado as suas sementes.
Desfaça-se deste controle ilusório e segregador
e deixe-se atuar na liberdade da LUZ.
Uma vez que o Plano Divino do Seu SER
está muito além do que você pensa, supõe, imagina,
deseja ou quer.

Ele se encontra, se encerra e se realiza
na consciência da LUZ, em Sua vibração. 

ArqueiroHur